Uma insuperável dádiva...
Acesse sua conta Login
Faça parte Cadastrese!
Arautos do Evangelho
Arautos Podcast contato Contato Rezem por mim
  telegran

Uma insuperável dádiva...
Mons. João Scognamiglio Clá Dias, EP - 2011/06/20
ULTIMA CEIA.jpg
"Última Ceia" - Fra Angélico - Museu de São Marcos, Florença (Itália)

"Naquele tempo, disse Jesus às multidões dos judeus: 51 ‘Eu sou o pão vivo descido do Céu. Quem comer deste pão viverá eternamente. E o pão que Eu darei é a minha carne dada para a vida do mundo'. 52 Os judeus discutiam entre si, dizendo: ‘Como é que ele pode dar a sua carne para comer?'. 53 Então Jesus disse: ‘Em verdade, em verdade vos digo: se não comerdes a carne do Filho do Homem e não beberdes o seu sangue, não tereis a vida em vós. 54 Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna, e Eu o ressuscitarei no último dia. 55 Porque a minha carne é verdadeira comida, e o meu sangue é verdadeira bebida. 56 Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e Eu nele. 57 Como o Pai, que vive, Me enviou, e Eu vivo por causa do Pai, assim aquele que Me recebe como alimento viverá por causa de Mim. 58 Este é o pão que desceu do Céu. Não é como aquele que os vossos pais comeram. Eles morreram. Aquele que come este pão viverá para sempre'" (Jo 6, 51-58).

O amor de Deus pelos homens, manifestado na Encarnação,atingiu um ápice inimaginável com a instituição da Eucaristia. E qual é nossa resposta a tão grande doação?

Mons_Joao_Cla Dias EP_.jpgMons. João Scognamiglio Clá Dias, EP

I - Deus dá-Se por inteiro

Existindo desde toda a eternidade, a Trindade não necessitava da criação. Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo bastavam-Se inteiramente, desfrutando de uma felicidade perfeita, infinita. Nisso consiste a glória intrínseca e insuperável das Três Divinas Pessoas. No entanto, ao criar, Deus quis tornar as criaturas partícipes de sua felicidade, e estas, ao se assemelharem ao Criador Lhe renderiam a glória extrínseca, cumprindo assim a finalidade mais alta de seu ser. Foi, pois, a criação um ato de doação, de entrega e de generosidade supremas1, requintado depois com a Encarnação do Verbo, quando Deus sujeitou-Se a assumir a pobre natureza humana a fim de nos remir do pecado de nossos primeiros pais.

O Homem-Deus haveria de prolongar sua presença na Terra

Mas o incomensurável amor de Deus por nós não se limitou a isso. Para nos abrir as portas do Céu, chegou a padecer dolorosa Paixão, morrer na Cruz e ressuscitar. E o teria feito, se preciso fosse, para resgatar um único homem. Ora, cabe-nos perguntar: depois de manifestar esse inacreditável amor por nós, haveria Ele de simplesmente subir aos Céus e abandonar o convívio com os homens cuja redenção tão caro Lhe custou? Seria possível imaginar, depois de tal união conosco, haver essa irremediável separação?

A maravilhosa solução para esse perplexitante problema só a Deus poderia ocorrer. Comenta belamente, a este propósito, o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira:

Nossa Senhora_.jpg
Na Última Ceia, apenas Maria
Santíssima tinha consciência
da grandeza daquela hora

"Não quero dizer que a Redençaão e o sacrifício da Cruz impusessem a Deus, em rigor de lógica, a instituição da Sagrada Eucaristia. Mas pode-se dizer que tudo clamava, tudo bradava, tudo suplicava por que Nosso Senhor não Se separasse assim dos homens. E uma pessoa com senso arquitetônico deveria entrever que Nosso Senhor arranjaria um meio de estar sempre presente, junto a cada um dos homens por Ele remidos. De forma tal que, depois da Ascensão, Ele estivesse sempre no Céu, no trono de glória que Lhe é devido, mas ao mesmo tempo acompanhasse passo a passo a via dolorosa de cada homem aqui na Terra, até o momento extremo em que cada um dissesse, por sua vez, o ‘Consummatum est' (Jo 19, 30)".2

E conclui com esta piedosa confidência: "Creio que se eu assistisse a Crucifixão e soubesse da Ascensão, ainda que não soubesse da Eucaristia, eu começaria a procurar Jesus Cristo pela Terra, porque não conseguiria me convencer de que Ele tivesse deixado de conviver com os homens. Esse convívio verdadeiramente maravilhoso de Jesus Cristo com os homens se faz, exatamente, por meio da Eucaristia".3

O fato de Deus ter operado a Criação para dar-Se a Si mesmo já nos enche de admiração. Muito mais, porém, é Ele ter assumido a natureza humana para, por sua morte, propiciar-nos o infinito dom da vida sobrenatural e abrir-nos as portas do Céu. Contudo, levar o amor a ponto de dar-Se aos homens em alimento, supera qualquer capacidade de imaginação! Pode-se dizer com propriedade que o ápice dessa doação, se encontra no Sacramento da Eucaristia.

Aparente simplicidade da Santa Ceia

Como se deu a instituição do mais excelente e sublime dos Sacramentos, o fim para o qual se ordenam todos os outros? 4 Na aparência, de um modo muito simples. Para os Apóstolos, tratava-se de uma ceia rotineira, celebrada todo ano pelos judeus segundo o multissecular rito indicado com detalhes por Deus a Moisés e Aarão, como algo a ser perpetuado de geração em geração (cf. Ex 12, 1-14). Ela lembrava aos judeus a Páscoa do Senhor, a morte dos primogênitos do Egito e a travessia do Mar Vermelho. Os discípulos estavam, portanto, com a ideia de uma simples rememoração religiosa quando de fato se realizaria no Cenáculo o que fora prefigurado na Antiga Lei: o sacrifício de animais cederia lugar ao holocausto do Cordeiro Divino que em breve seria imolado no altar da Cruz, para nossa salvação. As vítimas materiais simbolizavam o corpo de Cristo, e este seria ao mesmo tempo sacerdote e vítima no Novo Sacrifício, eterno e de valor infinito.

Segundo relatam os Evangelistas, depois de Jesus instituir a Eucaristia e dar a Comunhão aos Apóstolos, eles cantaram os salmos e saíram para o Monte das Oliveiras (cf. Mc 14, 26; Mt 26, 30). Constituíam esses salmos o poema de ação de graças intitulado Hallel - "Louvai a Javé" -, próprio da liturgia hebraica para a celebração da Páscoa5 e especialmente simbólico naquela circunstância: enquanto uns davam graças por terem comungado, o Messias rendia louvores ao Pai pela instituição da Eucaristia, que representava a concretização do anseio manifestado no início da Sagrada Ceia: "Desejei ardentemente comer convosco esta ceia pascal, antes de padecer" (Lc 22, 15).

Se soubessem com antecedência a grandeza do que seria instituído naquele dia - não só a Eucaristia, mas também o Sacerdócio -, é de se supor que os Apóstolos teriam preparado uma cerimônia à altura. Mas, naquele momento, quem tinha noção do que estava se passando?

II - Maria e a Eucaristia

Apenas Maria Santíssima tinha consciência da sublimidade da hora, pois é compreensível ter-Lhe Nosso Senhor revelado o que iria acontecer. Por quê?

Durante nove meses, operou-se em Maria a Transubstanciação

Tendo Maria recebido do Arcanjo Gabriel a Anunciação, o Espírito Santo A cobriu com sua sombra e iniciou-se o misterioso processo de gestação do Deus encarnado. Bem se pode dizer que, durante nove meses, a cada segundo n'Ela como que se celebrava uma Santa Missa.

Com efeito, no instante em que a alma de Jesus foi criada, fez Ele seu primeiro ato de adoração ao Pai, acompanhado de um perfeitíssimo oferecimento de Si mesmo como vítima; ou seja, realizou uma ação sacerdotal como Sumo Sacerdote "santo, inocente, sem mancha, separado dos pecadores e elevado acima dos céus" (Hb 7, 26). E para esse sublime sacrifício não havia na face da Terra altar mais digno do que o claustro virginal de Nossa Senhora. Por nove meses, viveu Ela no mais íntimo contato com Jesus, numa relação única na ordem do criado: tendo oferecido o seu corpo imaculado a Deus, Este tomava os elementos maternos e os transubstanciava; quer dizer, eles tornavam-se divinos a partir do momento em que passavam a integrar o corpo de Jesus.

Vitral-Anunciacion.jpg
Após a Anunciação, Maria viveu durante nove
meses no mais íntimo contato com Jesus,
servindo de altar para o  perfeitíssimo
oferecimento d'Ele ao Pai


"Anunciação" - Basílica de Notre Dame
de  L'Épine (França)

E pensar que esse grandioso mistério não se teria realizado sem o consentimento da Virgem: "Faça-se em Mim segundo a vossa palavra"! (Lc 1, 38).

Assim, à medida que se formava o corpo do Menino em seu seio virginal, Maria tudo conferia em seu coração e ia explicitando, maravilhada, a fisionomia física e moral de seu Filho. Este, de seu lado, assumia cada vez mais o ser da Mãe e A ia divinizando. De fato, pela maternidade divina, "a Bem-aventurada Virgem Maria chegou aos confins da divindade".6 Concebida em graça, Ela era verdadeiramente "o Paraíso terrestre do novo Adão".7

O anseio de Maria por reviver esses momentos

Completados os dias e tendo Jesus nascido, que alegria não terá sentido a Virgem Santa ao segurar em seus braços aquele Menino gestado em seu seio, constatando como Ele correspondia ao que Ela, em sua inocência, imaginara! Não é possível fazer ideia da sublimidade da primeira troca de olhares entre Mãe e Filho. Quanta coisa foi dita sem articular palavra alguma! Olhar este talvez superado apenas por um outro: o último olhar de Jesus para sua Mãe, do alto da Cruz. Contudo, de outro lado, que saudades deveria Ela sentir do relacionamento, ao mesmo tempo inefável e misterioso, havido durante o tempo em que ia sendo formado em seu claustro o Corpo de Cristo!

O anseio santíssimo e equilibradíssimo d'Ela de receber novamente Jesus em seu interior com certeza foi crescendo8 a ponto de nesse desejo Ela comungar espiritualmente a todo instante. Portanto, seria arquitetônico que em certo momento Nosso Senhor tivesse revelado a instituição da Eucaristia9 a Quem é o modelo perfeito dos adoradores de Jesus-Hóstia. Porque, sem dúvida, os atos de amor eucarístico da Virgem Maria deram mais glória a Deus do que todas as honras prestadas ao Santíssimo Sacramento pelos anjos e homens ao longo da História, uma vez que somente Ela O compreendeu, amou e adorou
adequadamente.

III - Grandeza do mistério da Eucaristia

Com efeito, é a Eucaristia um dos mais profundos mistérios da nossa Fé: as aparências, os sabores e os aromas são de pão e de vinho; porém, tanto numa como noutra espécie, encontramos apenas a substância do Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Cristo! Os sentidos nos apresentam uma realidade, mas nossa Fé nos propõe outra, na qual acreditamos.

Se, segundo ensina São Tomás, "o bem da graça é, para o indivíduo, melhor que o da natureza de todo o universo"10, o que dizer da menor fração visível de uma hóstia consagrada? Ali está o próprio Cristo. Não se trata de uma gota de graça, mas sim do próprio Autor da graça. Portanto, é algo cujo valor supera toda a criação, incluindo a ordem da graça. Juntemos as graças que os anjos e os homens receberam e ainda receberão, mais as existentes no mais alto grau em Nossa Senhora, e todas elas somadas não se comparam ao que há numa partícula consagrada: a recapitulação do Universo (cf. Ef 1, 10) numa aparência de pão!

A grandeza contida neste Sacramento é inexprimível em linguagem humana. Tudo quanto há na criação foi promovido por Deus em ordem a Jesus Cristo, e o supremo ato de amor d'Ele pelos homens consistiu na instituição da Eucaristia para proporcionar-nos uma extraordinária forma de união pessoal com o Verbo Encarnado. Às palavras da Consagração, pronunciadas pelo sacerdote, o próprio Deus obedece, e se realiza o maior milagre da face da Terra. Por essa maravilha, bem podemos avaliar o quanto Ele nos ama de maneira incomensurável.

O Santíssimo Sacramento embeleza a alma

Qualquer um pode comprovar como as plantas expostas aos raios solares ostentam uma exuberância, uma beleza e uma vitalidade que elas não têm estando à sombra. Uma grande diferença, devida apenas ao esplendor do Sol.

Ora, se a natureza é embelezada dessa maneira pela luz solar, que admiráveis benefícios não deve proporcionar à alma o raio espiritual emanado diretamente do Deus Escondido? Muito mais benéfica é a Eucaristia para nossa alma do que o Sol para nosso organismo corporal. Tendo algumas faltas ou misérias - veniais evidentemente, porque com pecado mortal não se pode comungar -, está a pessoa obrigada a afastar-se de Jesus Eucarístico? Não. Pelo contrário, deve aproximar-se d'Ele ao máximo. Não fugir de Jesus, mas abrigar-se n'Ele, porque assim ela será purificadas dessas misérias, e sua alma sairá aperfeiçoada.11 Nossos olhos corporais não conseguem, infelizmente, contemplar tais mudanças. Santa Catarina de Sena desejando conhecer o esplendor de uma alma habitada pela graça divina, ouviu dos lábios do próprio Jesus esta declaração: "Minha filha, se Eu te mostrasse a beleza de uma alma em estado de graça, seria a última coisa que verias neste mundo, porque o esplendor de sua formosura te faria morrer".12

 Virgen con el Nino.jpg
Não é possível fazer ideia
da sublimidade da primeira
troca de olhares entre Mãe
e Filho

"Virgem com o Menino Jesus"
Igreja de Notre Dame
de Auteil (França)

De fato, a graça ao divinizar a alma, a torna tão bela e atraente que, se nos fosse possível vê-la, teríamos a tendência de adorá-la, imaginando que fosse Deus. Fortalecendo todas as suas potências, nutrindo-a com inspirações santas e com impulsos de amor, Jesus-Hóstia faz com que a alma pervadida pela graça se assemelhe cada vez mais a Ele.13 Por isso, quando vemos as maravilhas operadas pelos homens de Deus, podemos estar certos de que elas provêm muito mais da Eucaristia, da qual são devotos, do que de eventuais qualidades pessoais.

Além desses sublimes benefícios produzidos na alma pela Eucaristia, devemos considerar que, apesar de nossas limitações ou até imperfeições, Nosso Senhor tem saudades de nós, e quer nos aproximar d'Ele, pois encontra as suas "delícias em estar com os filhos dos homens" (Pr 8, 31). Com muita propriedade, encontra-se em algumas capelas do Santíssimo Sacramento a expressiva frase de Santa Marta à sua irmã: "Magister adest et vocat te" - "O Mestre está aqui e te chama" (Jo 11, 28). Quando entramos no recinto sagrado para fazer-Lhe uma visita, Jesus-Hóstia nos acolhe com alegria, como que dizendo: "Aqui está o meu filho! Há quanto tempo Eu não o via... Venha!". De fato, nosso Redentor nos ama tanto que, por maiores que sejam nossas misérias, Ele Se alegra em nos ver.

Energia para enfrentar as dificuldades

Muitas são as conjunturas nas quais a pessoa se sente anêmica espiritualmente: ocasiões próximas de pecado que se apresentam, ou circunstâncias favorecedoras de um depauperamento espiritual, enfim, inúmeras situações que podem dessorar a fortaleza de alma. Onde então recuperar energias? Na Eucaristia. Disso nos dá exemplo - entre outros incontáveis santosSão Tomás de Aquino. Nas primeiras horas da manhã, ele celebrava sua Missa e em seguida assistia à de outro frade.14 Segundo consta, gostava inclusive de acolitar as Missas de seus irmãos de hábito. "Falando sobre os Sacramentos - disse recentemente o Papa Bento XVI -, o grande São Tomás reflete de modo particular sobre o Mistério da Eucaristia, pelo qual alimentou uma enorme devoção, a tal ponto que, segundo os antigos biógrafos, costumava aproximar a sua cabeça do Tabernáculo, como que para sentir palpitar o Coração divino e humano de Jesus".15

Permanência dos efeitos da Eucaristia

Às vezes, cometemos o equívoco de pensar que, quando comungamos, Jesus Cristo mantém-Se presente em nós apenas nos cinco ou dez minutos de duração das espécies eucarísticas. Trata-se de uma realidade espiritual muito mais profunda. De fato, mesmo após cessar a presença real de Nosso Senhor "a graça permanece na alma que comunga, porque ela recebeu em estado de graça o Pão da Vida", afirma Santa Catarina de Sena.16

"Consumidos os acidentes do pão", disse-lhe Nosso Senhor em uma revelação, "deixo em vós a marca de minha graça, como o selo aplicado sobre a cera quente. Tirando o selo, fica nela sua marca. Assim, resta na alma a virtude desse Sacramento, ou seja, mantém-se o calor da divina caridade, clemência do Espírito Santo. Continua em vós a luz da sabedoria de meu Filho Unigênito, que ilumina os olhos de vossa inteligência para que conheçais e vejais a doutrina de minha verdade e dessa mesma sabedoria".17

Um alimento que assume quem o toma

Quando comemos, nosso organismo assimila os alimentos ingeridos, deles retirando as substâncias úteis para a vida. Mas, ensina-nos a Teologia, quando comungamos passa-se o contrário: é Cristo que "nos diviniza e transforma em Si mesmo. Na Eucaristia alcança o cristão sua máxima cristificação, em que consiste a santidade". 18 Não O consumimos, pois Ele cessa a sua presença sacramental em nós a partir do momento em que as Sagradas Espécies deixarem de subsistir. Estando em nós, Ele nos enche de vida sobrenatural, santifica nossa alma e beneficia em consequência nosso corpo.

COMUNHAO_1.jpg
Na Comunhão é Cristo que "nos diviniza e
transforma em Si mesmo. Na Eucaristia
alcança o cristão sua máxima
‘cristificação'"

Por essa razão, o próprio Jesus, como nos narra o Evangelho desta Solenidade, ressalta a substancial diferença entre o maná recebido pelos judeus no deserto e o alimento trazido por Ele na Eucaristia: "Este é o pão que desceu do Céu. Não é como aquele que os vossos pais comeram. Eles morreram. Aquele que come este pão viverá para sempre" (Jo 6, 58).

Penhor da ressurreição para a vida eterna

"Pela Santa Comunhão renova-se de certo modo o augusto mistério da Encarnação"19, afirma com autoridade São Pedro Julião Eymard. O padre Royo Marín é mais afirmativo: na alma de quem acaba de comungar, diz ele, "o Pai engendra seu Filho Unigênito, e de ambos procede essa corrente de amor, verdadeira torrente de chamas, que é o Espírito Santo".20 Em virtude da união eucarística, a alma do fiel se torna "mais sagrada que a custódia e o cálice, mais até que as próprias espécies sacramentais, que certamente contêm a Cristo, mas sem tocá-Lo e sem receber d'Ele qualquer influência santificadora".21 E por isso, quem comunga recebe graças para bem viver de acordo com os Mandamentos e depois ter o prêmio da ressurreição com o corpo glorioso: "Aquele que come este pão, viverá para sempre" (Jo 21, 58).

IV - Saibamos retribuir sem medidas

Infelizmente, muitas vezes não avaliamos com profundidade todos os benefícios recebidos nesse sacral convívio com a Eucaristia na qual nosso Divino Redentor está realmente presente como quando operou a transformação da água em vinho nas bodas de Caná, ou quando ressuscitou Lázaro, ou ainda quando expulsou os vendilhões do Templo. O que não daríamos para presenciar um único milagre de Jesus ou ouvir algum de seus sermões? Ou mesmo receber d'Ele um só olhar? Quando chegarmos ao Céu, se Deus nos conceder essa suprema graça, compreenderemos que um instante de adoração eucarística compensa mil anos de sacrifícios na Terra.

E, no entanto, hoje temos Jesus-Hóstia nos tabernáculos sempre à nossa disposição; a qualquer momento Ele lá está nos aguardando com insignes graças, desejoso de receber nossa pobre visita. Se na Encarnação Deus quis Se unir à mais pura das criaturas, na Santa Comunhão Ele celebra suas bodas com cada pessoa em particular, numa união sem paralelo. "A alma
une-se de tal forma a Jesus Cristo que perde, por assim dizer, seu próprio ser e deixa viver tão-somente Jesus nela".22 Perde-se em Nosso Senhor como uma gota d'água no oceano. E a correspondência de nosso amor tornará mais perfeita e profunda essa união.

Peçamos a Jesus Sacramentado, nesta festa da Eucaristia, um amor íntegro e uma entrega total a Ele, única restituição digna por tudo quanto d'Ele recebemos. E transbordemos de alegria e de entusiasmo por sermos tão amados individualmente por um Deus que já nesta vida é a nossa "recompensa demasiadamente grande" (Gn 15, 1).

Notas:

1"O mundo não é o produto de uma necessidade qualquer, de um destino cego ou do acaso. Cremos que o mundo procede da vontade livre de Deus, que quis fazer as criaturas participarem de seu ser, de sua sabedoria e de sua bondade" (CIC 295).
2 CORRÊA DE OLIVEIRA, Plinio. A presença de Cristo entre os homens. In: Dr. Plinio. São Paulo. Ano VI. N.63 (Jun., 2003); p.23.
3 Idem, ibidem.
4"Falando em absoluto, o Sacramento da Eucaristia é o principal Sacramento. Três argumentos o mostram. 1º - Porque nele está contido substancialmente o próprio Cristo, enquanto os outros Sacramentos contêm apenas uma força instrumental que participa de Cristo. Ora, em todos os âmbitos, o que é por essência é mais digno do que aquilo que é por participação. 2º - Pela ordem recíproca dos Sacramentos, pois todos os demais Sacramentos parecem orientar-se a este como a seu fim. [...] 3º - Pelo rito dos Sacramentos, pois quase todos os Sacramentos atingem seu termo na Eucaristia" (SÃO TOMÁS DE AQUINO.
Suma Teológica, III, q.65, a.3, resp.).
5"De acordo com a prescrição rabínica, devia-se rezar ou cantar durante a ceia pascal os salmos 112 a 117, denominados ‘Hallel', ou ‘louvor'. Os dois primeiros, antes de sentar-se à mesa; os outros, no final da refeição, quando se bebia a quarta taça, com a respectiva bênção, que por isso se chamava ‘bênção do cântico'" (GOMÁ Y TOMÁS, Isidro. El Evangelio explicado. Barcelona: Casulleras, 1930, v.IV, p.274).
6 ROYO MARÍN, OP, Antonio. La Virgen María. 2.ed. Madrid: BAC, 1997, p.102.
7 São Luís Maria Grignion de MONTFORT, Tratado da verdadeira devoção à Santíssima Virgem, n.6.
8 Cf. ALASTRUEY, Gregorio. Tratado de la Virgen Santísima. Madrid: BAC, 1945, p.682.
9 Cf. ALASTRUEY, op. Cit., p.676-677.
10 Cf. SÃO TOMÁS DE AQUINO, op. cit., I-II q.113, a.9, ad. 2.
11 Cf. ALASTRUEY, op. Cit., p.237-238.
12 SANTA CATARINA DE SENA, apud ROYO MARÍN, OP, Antonio. Somos hijos de Dios. Madrid: BAC, 1977, p.26.
13 Cf. São Pedro Julião EYMARD. A divina Eucaristia. São Paulo: Loyola, 2002, v.II, p.30.
14 Cf. GRABMANN, Martín. Santo Tomás de Aquino. 2.ed. Barcelona: Labor, 1945, p.29.
15 BENTO XVI. Audiência Geral, 23/6/2010.
16 SANTA CATARINA DE SENA. El Diálogo. Madrid: BAC, 1955, p.398.
17 Idem, ibidem.
18 ROYO MARÍN, OP, Antonio. Teología de la Perfección Cristiana. 5.ed. Madrid: BAC, 1968, p.453.
19 SÃO PEDRO JULIÃO EYMARD, op.cit., p.26.
20 ROYO MARÍN, Teología de la Perfección Cristiana, op. Cit., p.454.
21 Idem, ibidem.
22 SÃO PEDRO JULIÃO EYMARD, op. cit., p.126.

(Revista Arautos do Evangelho, Junho/2011, n. 114, p. 10 à 17)

 

Votar Resultado 2  Votos

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.
  Dom de Sabedoria