Meia hora menos...
Acesse sua conta Login
Faça parte Cadastrese!
Arautos do Evangelho
Arautos Podcast contato Contato Rezem por mim
  Livro Dr Plinio de Mons João Clá

Meia hora menos...
Irmã Daniela Ayau Valladares, EP - 2011/07/12

Apesar de ser muito inteligente e esforçado, Gustavo continuava tirando notas baixas. Foi então que recebeu aquele inespo conselho: "Estude meia hora menos...".

Irmã Daniela Ayau Valladares, EP

A família de Gustavo era simples, mas muito religiosa. Desde bem pequenino, todas as manhãs, a avó, dona Esmeralda, o levava à Missa, e o menino se encantava com os acordes do órgão, com a luz do Sol entrando pelos vitrais, colorindo as paredes da igrejinha antiga de seu povoado e, sobretudo, com a sonora sineta que tocava durante a consagração. Impressionava-lhe ver aquela nave cheia de homens e mulheres que se ajoelhavam para adorar a Hóstia Consagrada, enquanto a vovó sussurrava-lhe cheia de fé:

imagem_1.jpg
O menino crescia cheio de piedade
e inocência

- Veja, Gustavinho, ali está Jesus! Terminada a Celebração Eucarística, antes de voltarem para o lar, a boa senhora tomava o neto pela mão e levava-o para visitar Maria Santíssima no altar lateral, onde se encontrava uma bela imagem da Virgem do Carmo.

À noite, o pai chegava em casa cansado do trabalho. Contudo, depois de jantar e rezar o Rosário em família, colocava o pequeno em seu colo e lhe contava muitas histórias dos santos e de Nossa Senhora com o Menino Jesus. E a mãe, ao dar-lhe o beijo de "boa noite" antes de dormir, nunca deixava de encomendá- -lo ao Anjo da Guarda.

Assim foi crescendo Gustavo, cheio de piedade e inocência. Por sua precocidade, logo entrou para o Catecismo da paróquia e fez a Primeira Comunhão antes mesmo da idade regulamentar, por uma concessão especial do padre Nicolau. O menino sonhava poder receber em seu peito aquele Jesus escondido sob as espécies eucarísticas que adorava desde o começo de seu uso da razão.

Sendo muito inteligente, Gustavo brilhava nos estudos. Era o primeiro da classe. Obediente e responsável, aprendia tudo com rapidez. Tão encantados estavam seus professores, que um deles, o de ciências naturais, resolveu interessar-se pessoalmente pelo futuro acadêmico do aluno. Estando o jovem na idade de cursar as séries mais avançadas, foi o mestre visitar seu humilde lar, e dirigindo-se ao pai, disse-lhe:

- Senhor Norberto, vim aqui falar do amanhã de seu filho.

- Pois não - respondeu o progenitor, um tanto intrigado...

O professor Raimundo então expôs seu plano: oferecia a oportunidade de levar o menino para a capital, onde viveria com seu irmão, que tinha um filho da mesma idade de Gustavo. Ali poderia frequentar a Escola Modelo até chegar o momento de entrar na Universidade para fazer o curso superior, que seria financiado por meio de uma bolsa de estudos. E pelo pendor que notava no dedicado aluno, seguramente se tornaria um grande médico.

Fixando o filho, o senhor Norberto encontrou dois olhinhos brilhantes de ilusão diante daquele plano de futuro tão promissor.

- Professor Raimundo - disse o pai - se Gustavo quiser eu autorizo, mas com a condição de que ele nunca deixe de ir à Missa e frequentar os Sacramentos. Os homens podem fazer quantos planos quiserem para suas vidas, mas sem a bênção de Deus nada chega a bom termo.

- Não se preocupe, senhor Norberto. Meu irmão e minha cunhada são católicos fervorosos. Gustavo estará em muito boas mãos.

Foi preparada a viagem e, logo depois das festas, Gustavo partiu para a cidade.

No primeiro ano, o jovem saiu-se muito bem. E quando voltou para casa, nas férias, os pais notaram que continuava o mesmo, responsável, cortês e muito piedoso. Porém, conforme a universidade se aproximava, as matérias iam se tornando cada vez mais difíceis. Era preciso estudar e estudar, diminuindo para isso o tempo dedicado aos atos de piedade.

imagem2_.jpg
Gustavo brilhava nos estudos.
Era o primeiro da classe

Dona Giovanna, mãe de seu companheiro Eduardo, nunca deixava de convidá-lo para ir à Missa, mas ele sempre lhe respondia não ser possível naquele momento, por estar muito ocupado. Aos poucos Gustavo foi também abandonando as orações costumeiras e acabou por não mais frequentar os Sacramentos.

Ora, apesar de todo esse esforço, algumas semanas antes da prova decisiva para entrar na faculdade, suas avaliações eram ainda insuficientes. Corria o risco de não ser admitido no curso de Medicina! Muito preocupado, decidiu ir visitar a família para espairecer um pouco... Mas o fez levando uma bagagem tão pesada que o pai mal podia carregá-la: estava cheia de livros!

Depois de abraçar a mãe e a avó, alegando estar cansado da viagem, pediu licença e retirou-se ao quarto para estudar. No dia seguinte, bem cedo, dona Esmeralda bateu à sua porta, convidando-o para ir com ela à Missa, como o fazia quando era pequeno. Gustavo aceitou a contragosto.

Porém, ao entrar na antiga igrejinha e ver a luz do Sol que os vitrais filtravam, colorindo todo o ambiente, sentiu em sua alma uma grande saudade. Saudade daquele tempo em que fazia de sua visita a Jesus e a Maria o momento mais importante de seu dia. Ah! Há quanto tempo ele não recebia aquele Jesus que tanto lhe atraia desde sua mais tenra infância!

Terminada a Celebração Eucarística, o padre Nicolau veio cumprimentar dona Esmeralda e perguntou a Gustavo como seguia com os estudos.

- Não muito bem - respondeu ele - preciso recuperar umas notas para poder entrar na Universidade.

imagem5.jpg
"Não se preocupe, estude meia
hora menos... e você se
sairá bem!
"

- Ora, não se preocupe - replicou o piedoso sacerdote - estude meia hora menos... e você se sairá bem!

- Como??! - perguntou-lhe o jovem perplexo.

Sim, estude meia hora menos e empregue este tempo rezando e pedindo à Virgem Santíssima que o ajude!...

As palavras do sacerdote fizeram Gustavo cair em si. Havia constatado quão inútil era confiar nas próprias forças e dava-se conta de que nada somos sem a graça de Deus, da qual Maria é a dispenseira. Imediatamente pediu ao padre que o confessasse e fez o bom propósito de seguir aquele conselho tão salutar! Estudaria, sim, mas sempre dedicaria meia hora - ou até mais! - à oração.

O resultado não se fez esperar. Gustavo obteve notas excelentes nos exames de ingresso na Universidade e, depois de alguns anos, tornou-se um grande médico que dava sempre este conselho aos seus pacientes: - Nunca deixem de dedicar meia hora a Deus todos os dias. Não há melhor modo de obter benefícios para o corpo e para a alma!

(Revista Arautos do Evangelho, Julho/2011, n. 115, p 46-47)

 

Votar Resultado 2  Votos

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.