I - As virtudes teologais e cardeais de Maria
Acesse sua conta Login
Faça parte Cadastrese!
Arautos do Evangelho
Arautos Podcast contato Contato Rezem por mim
  Vela de Natal

I - As virtudes teologais e cardeais de Maria
Mons. João Clá Dias, EP - 2009/05/06

A Exemplaridade de Maria

Apesar de ser o princípio e fundamento da vida interior, a graça santificante é estática, ou seja, não é imediatamente operativa. Em teologia ela é denominada "hábito entitativo, não operativo".

Pelo fato de haver no homem uma perfeita analogia entre a estrutura natural e a sobrenatural, tornar-se-á mais acessível à nossa compreensão esta última, se considerarmos a primeira, que está mais a nosso alcance.

A alma humana não é, por sua própria essência, imediatamente operativa. Para agir, ela se vale de suas potências - inteligência e vontade - que dela emanam como de sua própria raiz.

Algo semelhante ocorre em nosso organismo sobrenatural. A graça santificante não é dada ao homem com vistas à ação, mas ao ser. Considerada acidente, ela faz entretanto o papel substância na ordem sobrenatural, e para agir necessita - como todas as substâncias - de potências sobrenaturais que são infundidas por Deus na alma de um cristão, no momento do Batismo. Na de Nossa Senhora, porém, o foram desde o primeiro instante de sua conceição em graça.

Vejamos, sucintamente, como agiram na belíssima alma de Maria, esses hábitos operantes sobrenaturais infusos: virtudes e dons, com seus perfeitos atos correspondentes, os frutos e as bem-aventuranças.

 I. As virtudes de Maria

"Por virtudes se entendem aqueles hábitos bons que tornam as potências da alma capazes de executar com prontidão.

Esp?rito Santo sobre Nossa Senhora_1.jpg
  Virtudes, dons e frutos do Espírito Santo al-
  cançaram incomensurável perfeição na al-
  ma de Maria Santíssima
Facilidade e deleite tudo que, na ordem natural, é postulado pela reta razão e tudo a que, na ordem sobrenatural, somos convidados por Deus".

"Ora bem, Maria praticou de maneira admirável todas as virtudes convenientes à sua condição. Convenientes, disse, porque é claro que nem todas as virtudes são praticáveis por todos. Com efeito, a virtude, que em si mesma significa perfeição, porque é o hábito de operar o bem, nem sempre supõe perfeita a pessoa que a possui. Assim, há virtudes que tendem a liberar o homem do pecado ou das conseqüências deste, virtudes que somente podem aflorar numa consciência antes maculada pela iniqüidade. Claro está que tais virtudes não se poderiam encontrar nem em Jesus nem em Maria. Por exemplo, não diremos que Ela tenha praticado a penitência, pois sempre foi inocente, nem as outras virtudes pelas quais o homem domina suas paixões, porque essas lutas interiores nunca perturbaram a serena e tranqüila liberdade de espírito da Mãe de Deus. Exceção feita dessas virtudes, a Virgem Santíssima praticou todas as demais, de maneira extraordinária.

Infelizmente, pouco conhecemos da vida de Maria para podermos nos deliciar na contemplação detalhada de todos os atos virtuosos por Ela praticados. Todavia, as breves notícias que temos a respeito nos Evangelhos, podem nos dar pelo menos uma idéia de suas exímias virtudes".

 As virtudes teologais de Nossa Senhora

 "Como é sabido, as virtudes teologais são três: fé, esperança e caridade. A razão do número ternário é porque com elas se realiza perfeitamente a união imediata com Deus, que exige sua natureza de virtudes teologais. A fé nos dá a conhecer (a Deus) e a Ele nos une como Primeira Verdade; a esperança no-Lo faz desejar como nosso sumo Bem; a caridade a Ele nos une com amor de amizade, enquanto infinitamente bom em si mesmo".

- Fé

"Em Nossa Senhora, a infusa era objetivamente profundíssima, pela revelação que Lhe foi feita, no dia da Anunciação, dos mistérios da Encarnação e da Redenção, e por sua santa familiaridade de todos os dias com o Verbo encarnado. "Subjetivamente, sua fé era, além disso, firmíssima, certíssima e imediata em sua adesão, pois estas qualidades da fé infusa são tanto maiores quanto mais esta é elevada.

"Ora, Maria recebeu a fé infusa no mais alto grau que jamais existiu (e diga-se o mesmo de sua esperança, porque Jesus, que teve a visão beatífica desde o primeiro instante de sua concepção, não possuiu a fé nem a esperança, mas a plena luz e a possessão dos bens eternos que nos são prometidos).

"Não poderíamos, portanto fazer uma idéia da elevação da fé que possuía Maria. Na Anunciação. Logo que a verdade divina sobre o mistério da Encarnação redentora Lhe foi suficientemente proposta, Ela acreditou. Assim, Santa Isabel Lhe diz, pouco depois: "Feliz aquele que creu, porque nEla serão cumpridas as coisas que Lhe foram ditas da parte do Senhor" (Lc. I, 45).

"Ela viu nasceu seu Filho no estábulo de Belém, e acreditou que era o Criador do universo; viu toda a fragilidade de seu corpo menino, e O creu onipotente; quando Ele começou a balbuciar, Ela O tomou pela própria Sabedoria; quando fugiu com Ele diante da cólera de Herodes, não deixou de acreditar que Jesus era o Rei dos reis e o Senhor dos senhores, como dirá São João.

"No dia da Circuncisão e da apresentação no Templo, sua fé se abre mais e mais para o mistério da Redenção.

"Durante a Paixão, quando os Apóstolos, com exceção de João, se distanciam. Ela está junto à Cruz, de pé, sem desfalecer. Ela não cessa um instante de crer que seu Filho é verdadeiramente o Filho de Deus, o próprio Deus, que é, como disse o Precursor, o Cordeiro de Deus que tira os pecados do mundo, na aparência vencido, na realidade vencedor do demônio e do pecado, e que em três dias será o vencedor da morte por sua ressurreição, como Ele anunciou. Este ato de fé praticado por Maria no Calvário, nessa hora sombria, foi o maior que jamais existiu, aquele cujo objeto era o mais difícil: que Jesus obtinha a maior vitória pela mais completa imolação.

- Esperança

"A esperança pela qual Nossa Senhora tendia a possuir Deus que Ela ainda não via, era uma perfeita confiança que se apoiava, não sobre si mesma, mas sobre a misericórdia divina e a onipotência auxiliadora. Este fundamento Lhe dava uma certeza firmíssima, que aumentava pelas inspirações do dom de piedade, com os quais o Espírito Santo dá testemunho ao nosso espírito, de que somos filhos de Deus (Rom. VIII, 16).

Esp?rito Santo sobre Nossa Senhora_2.jpg"Esta certeza da esperança era tanto maior em Maria, quanto era Ela confirmada em graça, preservada de toda falta e, portanto, de todo desvio, seja o da presunção, seja o da depressão e da falta de confiança em Deus.

"Esta esperança perfeita Ela a exerceu quando, em sua juventude, teve o ardente desejo da vinda do Messias, quando O pedia para a salvação dos povos; em seguida, quando esperava que o segredo da concepção virginal do Salvador fosse manifestado a José seu esposo; quando Ela precisou fugir para o Egito; mais tarde, no Calvário, quando tudo parecia perdido e Ela esperava a completa e próxima vitória do Cristo sobre a morte, como Ele mesmo o havia anunciado. Sua confiança sustenta a dos Apóstolos no meio de suas lutas incessantes pela difusão do Evangelho e conversão do mundo pagão.

- Caridade

"Sua caridade, seu amor a Deus por Ele mesmo, e das almas em Deus, sobrepujou desde o início a caridade final de todos os Santos reunidos, pois era do mesmo grau que sua plenitude de graças, e Maria estava sempre mais intimamente unida ao Pai, como sua filha de predileção; ao Filho como sua Mãe Virgem, estreitamente associada à sua missão; ao Espírito Santo por um casamento espiritual que ultrapassa de muito aquele que conheceram os grandes místicos.

"Ela era, num grau que não podemos entrever, o templo vivo da Santíssima Trindade. Deus A amava mais que todas as outras criaturas juntas, e Ela correspondia perfeitamente a este amor, depois de se ter consagrado plenamente a Ele desde o primeiro instante de sua concepção, e vivendo sempre na mais completa sujeição à vontade divina.

"Nenhuma paixão desordenada, nenhuma vã inquietude, nenhuma distração retardavam o ímpeto de seu amor por Deus, e seu zelo pela regeneração das almas era proporcionado a este ímpeto. Ela se oferecia incessantemente, a si e a seu Filho, pela nossa salvação.

"Assim, a Igreja Lhe aplica estas palavras do Eclesiástico (XXIV, 24, 17): "Eu sou a Mãe do puro amor, do temor de Deus, da sabedoria e da santa esperança".

As virtudes cardeais de Maria

"Prudência, justiça, fortaleza e temperança são as virtudes cardeais (do latim cardo, cardinis a dobradiça da porta), assim chamadas porque em torno delas, como sobre os gonzos de uma porta, giram todas as demais virtudes secundárias, que são muitas (e é impossível examiná-las todas aqui aplicadas à Virgem Santíssima). Limitar-nos-emos, pois, às quatro virtudes cardeais, e algumas de suas virtudes derivadas mais importantes.

- Prudência e Justiça

"
A prudência em Maria dirigia todos os seus atos para o fim último sobrenatural, sem qualquer desvio. A Igreja A chama Virgo Prudentíssima.

"A justiça, Ela a exerceu evitando toda falta contrária a esta virtude, observando todas as prescrições da lei, mesmo a da purificação, quando não tinha nenhuma necessidade de ser purificada, e ordenando toda a sua vida para o bem maior de seu povo e da humanidade a ser regenerada.

1) Religião ou justiça em relação a Deus

"Ela praticou do modo mais elevado a justiça em relação a Deus, quer dizer, a virtude de religião, unida ao dom de piedade, em se consagrando totalmente ao serviço de Deus desde o primeiro instante, fazendo o voto de virgindade, oferecendo seu Filho quando da apresentação no Templo e, mais ainda, oferecendo a morte dEle sobre a Cruz. E assim realizou Ela o maior ato de virtude de religião, o sacrifício perfeito, o holocausto de valor infinito.

2) Obediência perfeita

"Ela praticou, igualmente, a obediência perfeita a todos os mandamentos, acompanhada da mais generosa prontidão em seguir todos os conselhos e inspirações do Espírito Santo.

3) Misericórdia

"Esta justiça, nEla, esteve sempre unida à misericórdia. Com seu Filho, Ela perdoou todas as injúrias que Lhe eram feitas, e mostrou a maior comiseração pelos pecadores e pelos aflitos. Por isto a Igreja A chama Mãe de Misericórdia, Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, títulos que se repetem em milhares de santuários, nos diversos países do mundo. Por Ela se realiza esta palavra do salmista: "Misericórida Dei plena est terra."

- Fortaleza

"A força ou a firmeza da alma que não se podia deixar abater pelos maiores perigos, pelos quais duros trabalhos e pelas Esp?rito Santo sobre Nossa Senhora_3.jpgmais penosas aflições, apareceu em Maria num grau não menos eminente, sobretudo durante toda a Paixão do Salvador, quando Ela permaneceu de pé junto à Cruz sem desfalecer, segundo o testemunho de São João (XIX, 25). Sabe-se que Caetano escreveu um opúsculo De spasmo Virginis, contra a opinião segundo a qual Maria teria desmaiado no caminho do Calvário. Medina, Tolet, Suárez, e o conjunto de teólogos, rejeitaram igualmente esta opinião.

"A Santíssima Virgem foi sustentada pelas inspirações do dom de fortaleza, a ponto de merecer, pelo martírio do coração, o título de Rainha dos mártires, pois interiormente participou das dores de seu Filho, mais profundamente e mais generosamente que todos os mártires em seus tormentos exteriores. É o que a Igreja rememora na festa da Compaixão da Santíssima Virgem, e na das Sete Dores de Nossa Senhora, particularmente no Stabat, onde soa: "De Cristo que eu carregue a morte, suas chagas a venerar e de sua paixão seja consorte. De suas chagas seja eu ferido, da cruz inebriado, e do sangue de vosso Filho".

É o mais alto grau da força, da paciência e da magnanimidade ou grandeza de alma, na mais extrema aflição.

- Temperança: pureza, humildade e doçura

"A temperança, sob suas diferentes formas, em particular a virgindade perfeita, revelou-se na sua pureza angélica, que assegurou em tudo a predominância da alma sobre o corpo, a das faculdades superiores sobre a sensibilidade, de tal sorte que Maria cada vez mais se espiritualizava; a imagem de Deus nEla resplandecia como num puríssimo espelho sem traço algum de imperfeição.

"A humildade não teve jamais que reprimir nEla o menor primeiro movimento de orgulho ou de vaidade, mas A conduzia ao ato próprio desta virtude, a reconhecer que por Ela mesma nada podia e nada representava, sem a graça, na ordem da salvação. Assim inclinava-se Ela diante da infinita majestade de Deus e diante do que dEle havia em todo ente criado. Mais do que qualquer outra criatura. Ela pôs sua grandeza em Deus.

"Sua doçura correspondia à sua humildade, segundo esta palavra da liturgia: ""Virgo singularis, inter omnes mitis". Até mesmo em relação aos que crucificavam seu Filho, não proferiu Ela qualquer palavra de indignação, mas, a exemplo de Jesus, lhe perdoou, rogando por eles. É a maior perfeição da doçura, unida à da força.

"Todas as virtudes, mesmo aquelas que na aparência se opõem, na Santíssima Virgem se congregam em perfeita harmonia, o que faz pensar na eminente simplicidade de Deus, no qual se unem as perfeições absolutas mais diversas, como a infinita justiça e a infinita misericórdia.

 (CLÁ DIAS, JOÃO. Pequeno Ofício da Imaculada Conceição Comentado. Artpress. São Paulo, 1997, pp. 473-476)

Votar Resultado 15  Votos

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.
Josias
  -   27 de março de 2011

Nossa Senhora:Cheia, Plena de virtudes.