Fazer ciência aberta ao transcendente
Acesse sua conta Login
Faça parte Cadastrese!
Arautos do Evangelho
Arautos Podcast contato Contato Rezem por mim
  Vela de Natal

Fazer ciência aberta ao transcendente
Redação - 2012/09/25

Nas universidades católicas, a Razão não pode esvaziar o mistério de amor que a Cruz representa, mas esta pode dar à Razão a resposta última que ela procura

Cardeal Zenon Grocholewski
Prefeito da Congregação para a Educação Católica

Irmãos e irmãs, "a todo homem que procede retamente, eu mostrarei a salvação de Deus". Com esta feliz promessa, a Liturgia da Palavra de hoje nos convida a encaminhar nossos passos no caminho do bem e a colocar nosso olhar em Jesus Ressuscitado, Rei do Universo e Senhor da História. [...]

Duas asas pelas quais o espírito humano se eleva à contemplação da verdade

O Evangelho de hoje (Mt 12, 38-42) poderia ser interpretado, ao meu ver, de dois pontos de vista.

De um ponto de vista negativo, Jesus rechaça o pedido dos mestres da Lei e dos fariseus, de dar-lhes um sinal pessoal. Encerra de modo incisivo a interpelação dessa "geração  má e adúltera" que vivia habituada aos sinais divinos, admirava os milagres e interpretava os fenômenos cósmicos. E a convida a elevar seu olhar acima do sinal pessoal. Exorta-a a tomar consciência de que no meio dela está o Servo de Deus, o Eleito, no qual o Pai encontrou sua predileção e sobre o qual derramou o Espírito. [...]

Cardeal Zenon Grocholewski_.jpg
Dom Zenon Grocholewski durante a homilia na capela do
Centro Universitário da FEI, ladeado por Dom Odilo Pedro
Scherer e Dom Raymundo Damasceno Assis

Do ponto de vista positivo, entretanto, Jesus evoca no Evangelho de hoje dois sinais do passado: o de Jonas e o da sabedoria de Salomão. E os interpreta referindo-os à sua Pessoa, à sua próxima Paixão, Morte e Ressurreição.

Vejamos agora mais detidamente esses dois sinais, que trazem à mente a fé e a razão, as quais - conforme a Encíclica Fides et ratio, do Beato João Paulo II - constituem como que as duas asas pelas quais o espírito humano se eleva à contemplação da verdade.

Primeira asa: a Fé em Cristo ressuscitado

A respeito do sinal de Jonas, diz o texto bíblico: "Com efeito, assim como Jonas esteve três dias e três noites no ventre da baleia, assim também o Filho do Homem estará três dias e três noites no seio da terra". Jesus, então, exorta seus interlocutores a interpretar o sinal de Jonas sob o prisma do mistério de sua próxima Morte e Ressurreição. [...]

Através do sinal de Jonas, indica-nos Ele implicitamente que para conhecê-Lo de fato requer-se o dom da Fé: Fé fundamentada no mistério pascal e alimentada pela pregação, ou seja, pelo depósito da Fé. [...]

No mundo universitário católico a Fé nunca pode ser considerada um acessório ou uma moda momentânea. A Fé em Cristo morto e ressuscitado deve acompanhar cada reflexão e aprofundamento a respeito da natureza, do homem e da sociedade. Querer dissociar a Fé da investigação científica equivale a construir uma ciência na qual reinam a vacuidade e o absurdo, pois, como assinalava o Beato João Paulo II, toda realidade humana, individual e social, foi libertada por Cristo: tanto as pessoas como as atividades dos homens, cuja manifestação mais elevada e personificada é a cultura.

Como nos recorda Jesus no Evangelho de hoje, os ninivitas se converteram pela pregação de Jonas. Da mesma maneira, ante o próximo Ano da Fé, a iniciar-se no dia 11 de outubro, o mundo universitário católico está chamado a intensificar e renovar sua Fé em Cristo morto e ressuscitado. Por isso, como salienta a Congregação para a Doutrina da Fé, a universidade católica está convidada a fomentar "um diálogo renovado e criativo entre Fé e Razão", por meio de simpósios, congressos e jornadas de estudo. Está chamada também a participar de "celebrações penitenciais, nas quais se ponha especial ênfase em pedir a Deus perdão pelos pecados contra a Fé".

Segunda asa: a Razão em harmonia com a Fé

Como dissemos no início desta reflexão, em seu diálogo com os mestres da Lei e os fariseus, Jesus oferece outro sinal: o de Salomão. Fala especificamente da sabedoria de Salomão. Este sinal nos leva, pois, a entender que para conhecer Cristo por inteiro se requer, além da fé n'Ele, a asa da sabedoria ou da razão, a qual, em perfeita harmonia com a fé, pode alcançar os mistérios divinos.

Enfatizava o Beato João Paulo II: "A Razão, privada do contributo da Revelação, percorreu sendas marginais com o risco de perder de vista a sua meta final. A Fé, privada da Razão, pôs em maior evidência o sentimento e a experiência, correndo o risco de deixar de ser uma proposta universal" (Fides et ratio, n.48). [...]

A este propósito, é necessário recordar que a fonte da sabedoria de Salomão era seu permanente contato com Deus, ou seja, a oração e a contemplação, sem as quais seu arrazoado seria considerado banal ou sem prestígio. A Rainha do Sul não teria vindo escutar a sabedoria de Salomão se não tivesse encontrado em seu pensamento uma verdade nova e real: a verdade de Deus. [...]

O grande desafio das universidades católicas

Nas universidades católicas, a Razão não pode esvaziar o mistério de amor que a Cruz representa, mas esta pode dar à Razão a resposta última que ela procura. O critério de verdade e, ao mesmo tempo, de salvação, não é a sabedoria das palavras, mas sim a Palavra da Sabedoria. Disse o Papa Bento XVI na Universidade Católica do Sagrado Coração: "Eis então o grande desafio das Universidades católicas: fazer ciência no horizonte de uma racionalidade verdadeira, diversa da que hoje é amplamente dominante, segundo uma razão aberta à questão da verdade e aos grandes valores inscritos no próprio ser e, por conseguinte, aberta ao transcendente, a Deus". [...]

Peçamos, então, que nossas instituições universitárias católicas sigam dando testemunho da Fé em Cristo e da sabedoria procedente do alto. Que ambas as asas, a Fé e a Razão, continuem guiando o mundo universitário católico.

(Trechos da homilia na Missa de abertura da 24ª Assembleia Geral da Federação Internacional das Universidades Católicas, 23/7/2012 - Transcrição da exposição oral, não revista pelo autor)

(Revista Arautos do Evangelho, Set/2012, n. 129, p. 38-39)

 

Votar Resultado 1  Votos

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.