O júbilo do coração livre do pecado
Acesse sua conta Login
Faça parte Cadastrese!
Arautos do Evangelho
Arautos Podcast contato Contato Rezem por mim
  Cartões de Natal

O júbilo do coração livre do pecado
Redazione - 2013/02/04

A graça traz a alegria genuína, que não depende da posse dos bens, mas está
arraigada no íntimo,  no profundo da pessoa, e que nada
e ninguém podem tirar.

Maria é chamada a "cheia de graça" (Lc 1, 28) e com esta sua identidade recorda-nos o primado de Deus na nossa vida e na história do mundo; recorda-nos que o poder de amor de Deus é mais forte do que o mal, pode preencher os vazios que o egoísmo provoca na história das pessoas, das famílias, das nações e do mundo. Estes vazios podem tornar-se infernos, onde a vida humana é como que arrastada para baixo, para o nada, perdendo o sentido e a luz.

L’Osservatore Romano
bento_xvi.jpg
Bento XVI reza diante
da imagem de Maria
Imaculada, na Praça
de Espanha, 8/12/2012

O sopro suave da graça pode dissipar as nuvens mais obscuras

Os remédios falsos que o mundo propõe para preencher estes vazios - emblemática é a droga - na realidade alargam o abismo. Só o amor pode salvar desta queda, mas não um amor qualquer: um amor que tenha em si a pureza da graça - de Deus que transforma e renova - e que assim possa introduzir nos pulmões intoxicados novo oxigênio, ar puro, renovada energia de vida.

Maria diz-nos que, por mais baixo que o homem possa cair, nunca é demasiado baixo para Deus, o qual desceu até a mansão dos mortos; por mais que o nosso coração se tenha desviado, Deus é sempre "maior do que o nosso coração" (I Jo 3, 20). O sopro suave da graça pode dissipar as nuvens mais obscuras, pode tornar a vida bela e rica de significado até nas situações mais desumanas.

O Cristianismo é, essencialmente, uma "notícia alegre"

E daqui provém a terceira coisa que Maria Imaculada nos diz: Ela fala-nos da alegria, daquele júbilo autêntico que se difunde no coração livre do pecado. O pecado traz consigo uma tristeza negativa, que induz a fechar-se em si mesmo.

A graça traz a alegria genuína, que não depende da posse dos bens, mas está arraigada no íntimo, no profundo da pessoa, e que nada e ninguém podem tirar. O Cristianismo é, essencialmente, um "evangelho", uma "notícia alegre", enquanto alguns pensam que é um obstáculo para a alegria, porque veem nele um conjunto de proibições e de regras.

Na realidade, o Cristianismo é o anúncio da vitória da graça sobre o pecado, da vida sobre a morte. E se comporta renúncias e uma disciplina da mente, do coração e do comportamento, é precisamente porque no homem existe a raiz venenosa do egoísmo, que faz mal a si mesmo e ao próximo.

Portanto, é necessário aprender a dizer não à voz do egoísmo e a dizer sim à voz do amor autêntico. A alegria de Maria é completa, porque no seu coração não há sombra de pecado. Esta alegria coincide com a presença de Jesus na sua vida: Jesus concebido e levado no seu ventre, depois menino confiado aos seus cuidados maternos, e enfim adolescente, jovem e homem maduro; Jesus visto partir de casa, seguido à distância com Fé, até à Cruz e à Ressurreição: Jesus é a alegria de Maria, a alegria da Igreja e de todos nós.

(Excerto do discurso pronunciado durante o ato de veneração a Maria Imaculada na Praça de Espanha, 8/12/2012)

Todos os direitos sobre os documentos pontifícios estão reservados à Libreria Editrice Vaticana.
A íntegra dos documentos acima pode ser encontrada em www.vatican.va

(Revista Arautos do Evangelho, Fevereiro/2013, n. 134, p. 9)

Votar Resultado 1  Votos

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.
  ORAÇÕES