Incêndio na Catedral!
Acesse sua conta Login
Faça parte Cadastrese!
Arautos do Evangelho
Arautos Podcast contato Contato Rezem por mim
  Monsenhor João Clá Dias, EP

Incêndio na Catedral!
Irmã Ana Rafaela Maragno, EP - 2013/02/05

Revolvendo devagar as cinzas do que restou do altar, verificaram que o sacrário fora todo queimado. E o Santíssimo Sacramento? Chegaram a tempo de salvá-Lo?

Irmã Ana Rafaela Maragno, EP

Acada quinta-feira, a Catedral ficava repleta desde cedo, pois o Dia Eucarístico era celebrado com muita piedade pelos fiéis daquela cidade. De manhã, Dom Matias, o Bispo, presidia a Santa Missa e expunha o Santíssimo Sacramento no belo ostensório dourado e adornado com pedrarias, revestido de uma capa de asperges toda bordada, sob uma cortina perfumada de incenso e ao som dos cânticos e do bimbalhar dos sinos. Durante todo o dia os fiéis vinham visitar Jesus Hóstia, para a Ele agradecer tantos favores recebidos, apresentar- Lhe novos pedidos, depositar a seus pés sofrimentos e aflições ou apenas para fazer-Lhe companhia, em profunda adoração.

Edith Petitclerc
incendio_na_catedral1.jpg
Dando vazão a seu ódio, se propôs a acabar, de uma vez e para sempre,
com o que julgava mera superstição e estupidez.

Ao cair da tarde, Dom Matias abençoava solenemente o povo que enchia as naves do templo e até mesmo o átrio externo da suntuosa Catedral.

- "Tão sublime Sacramento, adoremos neste altar"... Pelas ruas circunvizinhas ecoava em uníssono o hino litúrgico, entoado por todos os presentes. E o Santíssimo era reservado no tabernáculo, depois de haver derramado torrentes de graças sobre aquela gente simples, mas cheia de fé.

A cidade prosperava e todos reputavam ser tal progresso fruto das bênçãos de Deus. Contudo, o crescimento trouxe várias necessidades. Por exemplo, tornou-se urgente levantar uma ponte para cruzar o rio Aguapé, pois as casas haviam chegado à outra margem e a travessia só se fazia a remo. O prefeito contratou, então, uma empresa construtora para dar início ao empreendimento.

Contudo, entre os trabalhadores que vieram de outras regiões para construir a ponte havia um homem incrédulo, de nome Dionísio, que zombava da fé de seus companheiros. Blasfemava e dizia que estavam ali todos para adorar um pedaço de pão que nada podia fazer por ninguém.

Em vão tentaram explicar- lhe as verdades da Religião. O deboche se transformou em cólera. Procurava passar sempre longe da Catedral e não suportava ouvir os cânticos religiosos que enchiam as ruas e praças a cada semana. Dando vazão a seu ódio, se propôs a acabar, de uma vez e para sempre, com o que julgava mera superstição e estupidez. Arquitetou um plano malévolo e se apressou a executá-lo...

incendio_na_catedral3.jpg
Movendo as cinzas e os pedaços
de carvão, encontraram
o cibório de ouro intacto!

Em uma quinta-feira, quando o povo se retirava da Catedral após a bênção solene, Dionísio entrou sorrateiramente por uma porta lateral e conseguiu esconder-se detrás de um confessionário, permanecendo ali despercebido até que a última luz da igreja foi apagada e todas as portas foram fechadas.

Já estava bem escuro. As pernas de Dionísio tremiam e o coração batia forte. Afinal ia pôr um ponto final em tudo aquilo. Aproximou-se devagar do altar-mor e ali levou um susto! A luz bruxuleante da lamparina do Santíssimo movia-se cada vez mais rápido, desenhando sombras assustadoras na parede, cujas figuras pareciam dizer-lhe que tomasse cuidado com o que ia fazer...

Recuperando o controle de si mesmo, cheio de ódio, pegou uma vela que estava no altar e a acendeu na própria lamparina. Certificou- se de que o retábulo e o sacrário eram de madeira e ateou fogo. As chamas começaram tímidas e foram crescendo, crescendo, até tornarem- -se grandes labaredas. Queimaram a mesa do altar, a toalha de linho e com volúpia se avolumaram sobre o sacrário...

Jorge, o sacristão, caminhava pela rua não muito longe da Sé. Antes de dobrar uma esquina, voltou- -se para contemplar mais uma vez o imponente edifício. Então percebeu uma luz acesa no interior e pensou: "Que estranho! Tenho certeza de que apaguei todas as lâmpadas...".

Decidiu regressar e, quando entrou...Que desolação! O fogo consumia com voracidade tudo que encontrava pela frente! O altar e o tabernáculo praticamente já não existiam! Correu para o presbitério, deixando aberta a porta do templo, por onde fugiu Dionísio, sem ser visto. Jorge deu o alarme e com toda presteza procurou apagar o incêndio.

Avisado o Bispo, acudiu ele logo à Catedral. Os bombeiros foram acionados e toda a cidade saiu em polvorosa. Como o fogo estava em uma área ainda restrita, foi debelado sem maiores consequências. Todos, porém, se perguntavam com ansiedade:

- E o Santíssimo Sacramento?
- Chegaram a tempo de salvá--Lo?

Dom Matias e Jorge iam retirando devagar o que restou do altar e verificaram que o sacrário fora todo queimado. Movendo as cinzas e os pedaços de carvão que se amontoavam ali, oh prodígio! Encontraram o cibório de ouro intacto! Todas as hóstias estavam perfeitas, sem a menor fuligem ou odor a queimado, e exalavam um agradável perfume!

incendio_na_catedral2.jpg
Suas lágrimas eram de amor e adoração por
Aquele a quem quisera destruir

O Bispo mandou tocar os sinos e, em meio à noite, se organizou uma procissão pelas ruas da cidade para render graças a Deus por ter conservado intactas as Sagradas Espécies em meio àquele incêndio, que eles julgavam acidental...

Não obstante, o prodígio maior ainda estava por se realizar. Dionísio, escondido nas imediações da Catedral, foi tomado por uma irresistível graça de arrependimento. Lançou-se aos pés de Dom Matias, que portava o cibório na procissão, e ali se acusou de seu crime. Suas lágrimas eram de amor e adoração por Aquele a quem quisera destruir e que em sua infinita bondade o convertera.

Diante de tal acontecimento, a devoção Eucarística na cidade aumentou ainda mais e tornou-se exemplo de amor ao Santíssimo Sacramento para toda a região. O cibório do milagre passou a ser conservado em contínua adoração, em uma capela especial, para perpétua memória deste fato.

(Revista Arautos do Evangelho, Fevereiro/2013, n. 134, p. 46 - 47)

Votar Resultado 5  Votos

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.
  ORAÇÕES