Os carismas do Espírito Santo na Santíssima Virgem
Acesse sua conta Login
Faça parte Cadastrese!
Arautos do Evangelho
Arautos Podcast contato Contato Rezem por mim
  LIVRO SABEDORIA

Os carismas do Espírito Santo na Santíssima Virgem
Mons. João Clá Dias, EP - 2009/05/22

Toda graça divina é, sem dúvida, gratis data, ou seja, gratuita, no sentido de que não é devida ao homem, estando acima de sua natureza e de suas exigências naturais. É um puro dom, efeito da liberalidade de Deus.

Neste sentido, é graça gratis data a própria graça santificante ou habitual; como o são também todas as graças atuais, que se recebem em vista da própria santificação pessoal.

As graças "gratis data" ou carismas do Espírito Santo

Existe, porém uma espécie de favores divinos ou de graças que são chamados, de modo específico, gratuitos, ou seja, Nossa Senhora de Roma..jpggraças gratis datae, (também chamados carismas do Espírito Santo). E são aqueles que direta e proximamente se ordenam ao bem dos outros, mais do que ao bem de quem os recebe.

Sendo tais, esses favores não exigem, por si mesmos, o estado de graça em que os recebe, podendo mesmo se acharem em quem esteja em pecado mortal.

Assim, por exemplo, o dom dos milagres, das profecias, das línguas, etc., são graças gratis datae, não santificam o indivíduo em que se encontram. Todavia, servem-lhe imensamente para fazer o nem a outros e, se aproveitar disso, contribuem também muito para sua própria santificação, como acontece com os Santos.

É impossível determinar o número das graças gratis datae que Deus pode conferir aos homens são incontáveis. São Paulo cita algumas como exemplo, sem pretender enumerá-las todas. Eis o texto do Apóstolo: "E a cada um é dada a manifestação do Espírito para (comum) utilidade, porque a um pelo Espírito é dada a palavra da Sabedoria; a outro porém, a palavra da ciência, segundo o mesmo Espírito; a outro a fé, pelo mesmo Espírito; a outro o dom de curar as doenças no (mesmo) Espírito. A outro o dom dos milagres. A outro a profecia. A outro o discernimento dos espíritos. A outro a variedade das línguas. A outro a interpretação das palavras. Mas todas essas coisas opera um só e mesmo Espírito, repartindo a cada um como quer. (I Cor, XII, 7-11).

A par destas que assinala São Paulo, podem dar-se outras muitas graças gratis datae - e se tem dado, de fato, sobretudo nas vidas de alguns Santos - porém sempre conservam o caráter de inteiramente gratuitas, no sentido de que ninguém as pode diretamente merecer e não entram, de si, no processo normal do desenvolvimento da graça santificante.

As graças "gratis datae" em Maria

Todos os teólogos estão de acordo em que Maria recebeu de Deus algumas graças gratis datae, segundo aquelas que eram convenientes a que o Senhor A tinha predestinado.

É evidente que não as recebeu todas - de modo algum era necessário - nem sequer as nove que enumera São Paulo. Contudo, parece claro que Lhe foram concedidas, ao menos, as seguintes:

- Sabedoria carismática

A Sabedoria como gratis data, consiste numa especial aptidão para comunicar aos demais, pela palavra, os altíssimos mistérios da Trindade, Encarnação, Redenção, etc., de maneira que os instrua, deleite e comova.

Ora, o Doutro Angélico, São Tomás de Aquino, se pergunta se esta graça pertence também às mulheres, e contesta com uma luminosa distinção: em público, dirigindo-se a toda a Igreja, não é própria das mulheres, segundo aquilo de São Paulo: "As mulheres calem na Igreja" (I Cor. XIV, 34). Porém, em privado, falando familiarmente com um ou com poucos, podem também as mulheres exercitar esta graça gratis data, se a receberam de Deus.

Não padece dúvida que, ao menos neste segundo sentido, recebeu Maria, em grau sublime, a sabedoria carismática, e a exercitou sobre os Apóstolos e primeiros discípulos do Senhor, já que sua penetração nos mistérios divinos foi incomparavelmente superior à dos mesmos Apóstolos, que muitas coisas aprenderam de Maria.

- Ciência carismática

Os teólogos distinguem no entendimento de Cristo quatro classes de ciência: divina, beatífica, infusa e adquirida.

1) Divina

A ciência divina era a que tinha como Verbo de Deus, e, por isso mesmo, dela gozou desde o primeiro instante de sua concepção no seio de Maria, e era incomunicável aos demais. Maria não a teve nem a podia ter.

2) Beatífica

A ciência beatífica é a que corresponde aos bem-aventurados, que contemplam face a face a essência divina. Cristo a teve também desde o primeiro instante de sua concepção. Se Maria recebeu ou não esta classe de ciência beatífica, é questão controvertida entre os teólogos. É doutrina comum que não a recebeu habitualmente. Porém, a maioria dos doutores admite que gozou dela transitoriamente em alguns momentos culminantes de sua vida, nos quais se Lhe comunicou transitoriamente o lumen gloriae, indispensável para tal visão.

3) Infusa

A ciência infusa é aquela que não se adquire pelo ensino das criaturas ou pelo próprio estudo da razão, mas por espécies inteligíveis infundidas diretamente por Deus no entendimento humano ou angélico, Essas espécies ou idéias infusas podem referir-se a verdades sobrenaturais, que a razão jamais poderia descobrir por si mesma, ou também a verdades puramente naturais, que o homem seria capaz de alcançar por si mesmo, ainda que com maior esforço (por exemplo, se alguém aprendesse por revelação divina um idioma desconhecido, sem o haver estudado).

Cristo, desde o momento de sua concepção no seio virginal de Maria, conheceu com ciência infusa todas as verdades naturais que o homem pode chegar a conhecer e todos os mistérios da graça, sem nenhuma excessão.

A Santíssima Virgem recebeu certamente a ciência infusa procedente dos dons intelectivos do Espírito Santo, sobretudo através dos dons de sabedoria e inteligência. E é seguro que recebeu também, em plano extraordinário ou carismático, luzes especialíssimas sobre o mistério da Encarnação e o papel excepcional que Ela mesma haveria de desempenhar no mistério redentor como Co-redentora da humanidade. Quanto a isto não cabe a menor dúvida.

4) Adquirida

A ciência adquirida, como indica seu nome, é a que se adquire o próprio esforço puramente natural. Com esta classe de ciência Cristo aprendeu por si mesmo o ofício de carpinteiro ao lado de São José e todos os demais conhecimentos humanos que podem adquirir-se pelo próprio esforço natural. Também Maria deve ter aprendido a ler e a escrever, e os demais conhecimentos elementares que costumavam aprender as demais meninas de sua época e condição social.

- Fé carismática

Como graça carismática, a fé consiste - segundo São Tomás - em uma supereminente certeza da fé, que torna o homem apto para instruir aos outros nas coisas pertencentes à mesma. Não há dúvida de que Maria, possuiu em grau excelente esta graça carismática, já que, como disse o imortal Pontífice Leão XIII, "mostrou-se verdadeiramente Mãe da Igreja e foi verdadeira Mestra e Rainha dos Apóstolos, aos quais fez participantes do tesouro dos divinos oráculos que Ela guardava em seu coração".

- Profecia

A profecia é uma das mais importantes graças carismáticas. Profeta é o que fala em nome de Deus, principalmente se anuncia coisas futuras que transcendem ao conhecimento natural que pode alcançar por si mesmo a inteligência humana ouNossa Senhora Auxiliadora..jpg angélica. Consta com toda certeza que a Santíssima Virgem possuiu o dom de profecia, posto que anuncia sem vacilação alguma que A chamariam bem-aventurada todas as gerações (Lc. I, 48), o que se cumpriu clamorosamente no mundo inteiro.

Estas são as quatro graças carismáticas que recebeu certamente a Santíssima Virgem Maria. Não consta que recebera nenhuma outra das assinaladas por São Paulo no texto acima citado. Ao menos, não registra o Evangelho que Ela tenha realizado algum milagre em sua vida mortal. Nas bodas de Caná, Jesus realizou o milagre da conversão da água em vinho a instâncias de Maria, porém o milagre o realizou Ele, não Ela.

São Tomás (III 27, 5 ad. 3) justifica com sua habitual lucidez o fato de que Maria não operasse milagre durante sua vida mortal, a fim de não chamar a atenção de ninguém sobre si mesma, mas que se fixassem todos exclusivamente na divina missão de Cristo. Eis suas palavras, nas quais expressa seu pensamento acerca das demais graças gratis datae, que recebeu Maria:

" Não se pode duvidar que a Bem-aventurada Virgem haja recebido de modo excelente o dom de sabedoria, a graça das virtudes e ainda a da profecia. Porém, não recebeu o uso de todas estas outras graças como as teve Cristo, mas de um modo adaptado à sua condição. Teve o uso da sabedoria na contemplação, segundo disse São Lucas: E Maria conservava todas essas coisas, meditando-as em seu coração (Lc. II, 19). Não teve, contudo o dom da sabedoria para ensinar, porque isto não era próprio do sexo feminino, conforme ao que disse São Paulo (I Tim. II, 12). O uso do dom de milagres não competia a Ela enquanto vivessem porque então a doutrina de Cristo necessitava ser confirmada com milagres, e assim só a Cristo e a seus discípulos, que eram os portadores de sua doutrina, convinha fazê-los. Por isso, do próprio São João Batista se escreve que não fez nenhum milagre para que assim todos prestassem atenção em Cristo.

Por outro lado, a Bem-aventurada Virgem teve o dom da profecia, como consta pelo cântico: Minha alma engrandece ao Senhor (Lc. I, 46)".

Com ardorosas palavras, Fr. Philipon compendia a ação do Espírito Santo na alma da Santíssima Virgem, elevando suas admiráveis virtudes àquele píncaro de perfeição que fez d'Ela a Rainha de todos os Santos:

Depois de Cristo, a Mãe de Jesus, Mãe de Deus e dos homens, (...) foi a alma mais dócil ao Espírito Santo. São João da Cruz nos assegura que a Mãe de Deus vivia sob a contínua moção de seu Divino Esposo, no cume da união transformante (CRF. Subida, 1.3, cap. 2.10). Cada um de seus atos conscientes procedia dEla e do Espírito Santo, e apresentava a modalidade deiforme das virtudes perfeitas sob o regime dos dons. Enquanto o Verbo Encarnado, em virtude de sua Personalidade divina, não podia aumentar em santidade, a Mãe de Cristo aparece na Igreja como o protótipo do progresso espiritual, o ideal de toda alma cristã em sua ascensão rumo a Deus (...)

Nela: todas as luzes da fé esclarecida pelo Espírito de inteligência, de ciência, de sabedoria e de conselho; Ela é a Rainha dos profetas e dos doutores. Supera em piedade a todas as filhas de Israel, a todas as figuras femininas que aparecem no Antigo Testamento; é a Rainha dos patriarcas e de todas as lamas justas de Israel. O evangelho no-lo diz: meditava continuamente em seu coração as palavras divinas, escutava ao Verbo: é a Rainha das almas contemplativas e de todas as almas que oram. Sua magnani
midade e sua fortaleza de ânimo A colocam à frente de todos os homens de ação e de todos os servidores de Deus.

Ela é a Rainha de todos os apóstolos, dos missionários, de todos quantos na Igreja militante dão seu sangue e suas vidas pelo Reino de Deus. E a Rainha dos mártires. Sua pureza virginal e sua delicadeza de alma, (...) fazem d'Ela o ser mais puro que tenha passado por essa Terra de pecado. Ela é a Imaculada, a Rainha dos Anjos e das virgens, a Rainha de todos os Santos.

A Virgem Fiel, Mãe do Verbo e do Cr
isto total, sempre dócil ao mais leve sopro do Espírito, é, junto com seu Filho, a obra-prima da Santíssima Trindade. (CLÁ DIAS, JOÃO. Pequeno Ofício da Imaculada Conceição Comentado. Artpress. São Paulo, 1997, pp. 489 à 492).

Votar Resultado 16  Votos

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.
  ORAÇÕES