Filhas de Maria Auxiliadora no Sri Lanka acolhem filhas de ex-soldados
Acesse sua conta Login
Faça parte Cadastrese!
Arautos do Evangelho
Arautos Podcast contato Contato Rezem por mim
  Santo Agostinho

Filhas de Maria Auxiliadora no Sri Lanka acolhem filhas de ex-soldados
Gaudium Press - 2012/02/27

Vayuniya (Segunda-feira, 27-02-2012, Gaudium Press) Desde sempre a Igreja, chamada a promover a caridade e dar testemunho do amor de Deus, está compreendendo, atendendo e feito suas, as necessidades dos mais frágeis e indefesos.

Um exemplo disso é o que está vivendo há alguns anos, a ilha asiática do Sri Lanka onde as Filhas de Maria Auxiliadora (FMA) acolhem as filhas de ex-soldados que tem suportado as difícies consequencias de uma guerra que destroçou esta república por 25 anos em um conflito que começou em 1983 e terminou há dois anos e deixou mais de 280 mil refugiados, entre eles, aproximadamente 40% mulheres menores de idade, como revela nota publicada pela Agência Info Salesiana.

Diante desta difícil situação e atendendo a um chamado do governo local, as Filhas da Família Salesiana no Sri Lanka, decidiram receber e se ocupar das filhas órfãs da guerra para reabilitá-las.

Desde que responderam a este apelo, as Filhas de Maria Auxiliadora na ilha asiática estão se dedicando a cuidar da saúde física e psiquica das menores, assim como oferecer formação espiritual e educacional. Elas contam com o apoio de organismos não governamentais como a Cruz Vermelha Internacional e a World Food Program e organismos nacionais como a Social Economical and Environmental Developer.

Um dos centros onde se acolhem as menores é a "Casa para meninas combatentes e ex-soldados" de Vayuniya, onde, com o apoio das Filhas Salesianas, atendem mais de 170 meninas e adolescentes. "O rendimento escolar das meninas acusa muito as consequências da guerra e para todas elas, existe um sistema de tutor (...), os traumas sofridos durante a guerra, deixam sequelas indeléveis: muitas sofrem transtornos psíquicos ligados à depressão. Outras tem feridas de guerra mal curadas que se arrastam por anos", relata nota da ANS.

A maioria destas jovens foram submetidas a difíceis trabalhos, como prepara marmitas, ajudar os cozinhos nos barcos e cozinhar. Ao chegar a puberdade, muitas delas foram abusadas por guerrilheiros e outras obrigadas a combater. (LB)

 

Votar Resultado 0  Votos

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.
  ORAÇÕES