Bispos norte-americanos lançam documento em defesa da liberdade religiosa
Acesse sua conta Login
Faça parte Cadastrese!
Arautos do Evangelho
Arautos Podcast contato Contato Rezem por mim
  Rosa de Santa Teresinha

Bispos norte-americanos lançam documento em defesa da liberdade religiosa
Gaudium Press - 2012/04/13

Washington (Sexta-feira, 13-03-2012, Gaudium Press) Um muito aguardado documento foi dado a luz: "Our First, Most Cherished Liberty: A Statement on Religious Liberty" (Nossa Primeira, Mais Querida Liberdade: Uma declaração sobre Liberdade Religiosa", em inglês). O documento foi emitido pelo Comitê de Liberdade Religiosa do Episcopado Americano, encabeçado pelo arcebispo de Baltimore, nos Estados Unidos. A declaração busca combater a intenções de alguns segmentos da sociedade norte-americana que querem redefinir e constranger a "primeira liberdade", a liberdade religiosa.

"É algo instrutivo contemplar nosso governo promulgar uma lei injusta. Uma lei injusta não pode ser obedecida. Ante a uma lei injusta, uma acomodação não pode ser procurada, especialmente recorrendo a palavras equívocas e práticas enganosas" expressa o documento, fazendo referência ao que se tem chamado o mandato federal de anticoncepção, documento aprovado no dia 20 de janeiro deste ano, e acomodado posteriormente presidente Barack Obama, e que os bispos qualificaram como "inaceitável". O mandato obriga instituições católica a pagar por serviços contraceptivos e alguns abortivos que possam, vir a ser solicitados por seus empregados.

bispo william lori.jpg
Dom Lori encabeça o Comitê de Liberdade Religiosa do Episcopado Americano

"Se nós enfrentamos hoje em dia a perspectiva de leis injustas, então os católicos nos Estados Unidos, em solidariedade com nossos concidadãos, devem ter a coragem de não obedecê-las. Nenhum estado-unidense quer isto. Nenhum católico lhe dá boas-vindas. Contudo, em caso de que isso caia sobre nós, devemos cumprir com um dever de cidadania e uma obrigação de fé", assinala o documento.

É isto desobediência civil? Não, como explica o arcebispo de Baltimore em entrevista na qual comenta o documento. "[Isto] não significa que iremos à desobediência civil em primeira estância. Mas significa que exerceremos nossos direito e buscaremos reparação dos três ramos do governo, já que estamos com o mandato do HHS". O Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos (HHS, siga em inglês) é o autor imediato do "mandato contraceptivo". Mas se a lei nos está pedindo para violar nossa consciência", manifestou o prelado, "então poderíamos estar diante de uma escolha tipo Thomas Morus" .

O documento assinala outras ameaças menos visíveis à liberdade religiosa que o mandato contraceptivo, que incluem: a intenção de limitar o direitos dos estudantes cristãos nas universidades norte-americanas; os projetos de lei estatais sobre imigração que penalizam às igrejas que abrigam imigrantes ilegais; leis estatais 'anti-discriminação' e de 'matrimônio' do mesmo sexo que obrigam agências de adoção e agências de cuidado temporal católicas a fechar suas portas, e a decisão do governo Obama de não renovar os contratos federais com programas humanitários católicos que não admitem serviço de contracepção e de aborto a seus beneficiários em necessidade".

"A liberdade religiosa não é só a cerca de nosso capacidade ir a missa aos domingos ou rezar o Rosário em casa. Trata-se de se podemos fazer nossa contribuição ao bem de comum de todos os estado-unidenses. Podemos fazer as boas obras que nossa fé nos chama a fazer, sem ter que comprometes a fé mesma?", continua expressando o documento.

"Sem liberdade religiosa bem entendida, todos os norte-americanos sofrem, privados da contribuição essencial na educação, a na saúde, na alimentação dos famintos, nos direitos civis e nos serviços sociais que os estado-unidenses religiosos fazem todos os dias, tanto aqui como em casa e no estrangeiro".

O documento na íntegra pode ser consultado (em inglês) no endereço: http://usccb.org/issues-and-action/religious-liberty/our-first-most-cherished-liberty.cfm).

Com informações do National Catholic Register.

 

Votar Resultado 2  Votos

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.
  ORAÇÕES