CNBB divulga nota lamentando decisão do Supremo Tribunal Federal
Acesse sua conta Login
Faça parte Cadastrese!
Arautos do Evangelho
Arautos Podcast contato Contato Rezem por mim
  São Gregório Magno

CNBB divulga nota lamentando decisão do Supremo Tribunal Federal
Gaudium Press - 2012/04/13

Aparecida (Sexta-feira, 13-04-2012, Gaudium Press) Logo após a decisão do julgamento do Supremo Tribunal Federal a respeito da descriminalização do aborto de anencéfalos, a Conferência Nacional dos bispos do Brasil (CNBB), emitiu uma nota oficial lamentando a decisão.

nota cnbb.png
Foto: CNBB
Os prelados declaram no documento que "Legalizar o aborto de fetos com anencefalia, erroneamente diagnosticados como mortos cerebrais, é descartar um ser humano frágil e indefeso".

Na nota é também afirmado que "com esta decisão, a Suprema Corte parece não ter levado em conta a prerrogativa do Congresso Nacional cuja responsabilidade última é legislar."

No texto é argumentado que "os princípios da inviolabilidade do direito à vida, da dignidade da pessoa humana e da promoção do bem de todos, sem qualquer forma de discriminação, referem-se tanto à mulher quanto aos fetos anencéfálicos". E quando não se respeita a vida, todos os outros direitos são menosprezados, e rompe-se as relações mais profundas.

A publicação da CNBB sustenta que a mesma "ética que proíbe a eliminação de um ser humano inocente, não aceita exceções", e que portanto os fetos anencefálicos "não podem ser descartados e nem ter seus direitos fundamentais vilipendiados!".

Apesar da gestação de uma criança com anencefalia ser um drama para a família, "considerar que o aborto é a melhor opção para a mulher, além de de negar o direito inviolável do nascituro, ignora as consequências psicológicas negativas para a mãe. Estado e a sociedade devem oferecer à gestante amparo e proteção"

A Igreja ao defender o direito à vida dos anencéfalos, se fundamenta "numa visão antropológica do ser humano, baseando-se em argumentos teológicos éticos, científicos e jurídicos". Dessa forma fica excluído qualquer argumento que afirme "tratar-se de ingerência da religião no Estado laico. A participação efetiva na defesa e na promoção da dignidade e liberdade humanas deve ser legitimamente assegurada também à Igreja", conclui. (EPC)

Com informações da CNBB.

Votar Resultado 8  Votos

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.
  ORAÇÕES