Participação dos Bispos no Sínodo é feita também por escrito
Acesse sua conta Login
Faça parte Cadastrese!
Arautos do Evangelho
Arautos Podcast contato Contato Rezem por mim
  Livro Dr Plinio de Mons João Clá

Participação dos Bispos no Sínodo é feita também por escrito
Gaudium Press - 2012/10/22

Cidade do Vaticano (Segunda-feira, 22-10-2012, Gaudium Press) O Sínodo dos Bispos que está acontecendo em Roma tem tido contribuições verbais e escritas dos prelados presentes. Alguns desses textos foram divulgados neste último domingo pelo jornal L'Osservatore Romano.

Abaixo publicamos algumas dessas contribuições:

Cardeal Giuseppe Versaldi, presidente da Prefeitura dos Negócios Econômicos da Santa Sé, tratou da transparência na gestão dos bens temporais:

"Como Cristo ensinou, o anúncio do evangelho deve ser sempre acompanhado da credibilidade daqueles que o anuncia colocando em prática a mensagem que proclama. Isto se refere também ao modo como a Igreja usa os bens temporais necessários para a sua missão espiritual."

Dom Joachim Kouraleyo Tarounga, bispo de Mondou, no Chade, falou sobre o desafio da nova evangelização onde proliferam a bruxaria, o alcoolismo e as seitas:

"O contexto da Igreja no Chade (África) está bem descrito pela logomarca do ano da Fé. Vários decênios de guerra e de pobreza acabaram por criar no povo um sentimento de impotência e de insegurança, um autêntico viveiro para o sentido de perda e para a proliferação de fenômenos como a bruxaria, a adivinhação, o alcoolismo e as seitas. Mas também para a presença viva de Cristo (...) É difícil anunciar Jesus Cristo à pessoas traumatizadas, que não têm mais confiança em ninguém. O nomadismo religioso, que é uma forma concreta do relativismo, o demonstra. Onde o novo evangelizador pode encontrar, portanto, a força necessária para cumprir sua missão? (...) O novo evangelizador é chamado a aceitar, com serenidade, o pluralismo como âmbito da proclamação de Cristo (...) O novo evangelizador deve crer que o evangelho anunciado produzirá o seu efeito".

Dom Basílio do Nascimento, bispo de Baucau, presidente da Conferência Episcopal do Timor Leste escreveu sobre a Igreja alegre e florescente:

No Timor, "97% da população é católica e a Igreja Católica tem três dioceses. A Conferência episcopal existe há 6 meses. O resto da população é composto de protestantes, hinduístas, budistas, muçulmanos e alguns ‘neutros'. A Igreja do Timor é muito florescente. A população vive com simplicidade mas com grande convicção e fé em Jesus Cristo, começando pelos membros do Governo, os quais testemunham, publicamente e sem reserva, a sua fé, apesar do que diz a Constituição do País. Podemos dizer que sentimos uma grande alegria e orgulho, um santo orgulho de ser uma nação que crê em Jesus Cristo e de pertencer à Igreja Católica em plena Ásia, mesmo que ainda não compreendamos bem todos os desafios que isso implica".

Dom Menghestear Tesfamariam, bispo de Asmara, Eritréia, lembrou que é preciso erradicar a atitude medíocre:

"Se queremos ser sinceros conosco, é preciso admitir que não somos coerentes com aquilo que professamos. E isso tem sido, e é agora, o maior inimigo da nossa fé. É por isso que que no final do Sermão da Montanha, no evangelho de Mateus, Jesus nos diz claramente: ‘nem todo aquele que me diz Senhor, Senhor entrará no Reino dos céus, mas sim aquele que pratica a vontade de meu Pai que está nos céus' (Mt 7,21). Na transmissão da fé cristã com a nova evangelização, devemos fazer de tal modo que o povo aceite a Palavra de Deus e a siga fielmente. Devemos erradicar essa atitude medíocre de nós mesmos e de nossas comunidades".

Dom Rosário Saro Vella, bispo de Ambanja, Madagascar se referiu aos jovens:

"A nova evangelização necessita de evangelizadores corajosos. Poderia se dizer que a Barca de Pedro se encontra no meio de uma tempestade. Nos deixemos guiar pelo vento do Espírito Santo e não lamentemos se as ondas passam a impressão de que vamos afundar. Antes, devemos preferir esses riscos ao invés de navegar em águas estagnadas que nos dão apenas falsas seguranças.

Os jovens nos ensinam a alegria. Uma alegria que é antes de tudo, interior porque vem de Deus, mas que se exprime também externamente. Os jovens pedem de nós uma liturgia mais alegre, mais participada, mais conforme à vida deles, uma liturgia de cantos e danças. Nos pedem uma moral exigente, mas não negativa, uma moral que liberte os jovens das escravidões do egoísmo, do relativismo, do hedonismo e que encha o coração deles. Os jovens nos pedem uma fé não intelectual, mas vital. Uma fé que passe pela mente, nas chegue ao coração". (EPC)

Com informações da CNBB.

Votar Resultado 2  Votos

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.