Fale conosco
 
 
Receba nossos boletins
 
 
 
Artigos


Jesus Cristo


Dos pobres é o Reino dos Céus
 
AUTOR: IR. MARÍA CAROLINA VINDAS MORALES, EP
 
Decrease Increase
Texto
Solo lectura
0
0
 
Jesus quis nascer em condições tão rudes para nos mostrar que, quer na penúria, quer no luxo, felizes são os que n’Ele depositam sua confiança.

Depois do pecado original, muitos defeitos contaminaram a natureza humana. Entre eles, o egoísmo, a ambição e a tendência a apegar-se às criaturas, causa da perdição de tantas almas. Como solucionar isto?

“Vós conheceis a bondade de Nosso Senhor Jesus Cristo. Sendo rico, Se fez pobre por vós, a fim de vos enriquecer por sua pobreza” (II Cor 8, 9). O próprio Filho de Deus, com o exemplo de sua vida e sua doutrina, ensinou ao mundo como praticar a pobreza, virtude tão difícil de ser abraçada pelo homem e, talvez por isso, com frequência tão mal compreendida…

Já no Presépio o Salvador, ainda tenra criancinha, começa a nos “enriquecer por sua pobreza”, convidando-nos a contemplá-Lo na Gruta inóspita e fria, onde um boi e um burro O aquecem com seu hálito. Com encanto podemos comprovar que o Redentor, envolto em panos e reclinado na rústica manjedoura, exalava o perfume desta excelsa virtude logo no primeiro alento de sua vida terrena.

Ele quis nascer em condições tão rudes para nos mostrar que os bens materiais são elementos secundários para quem O possui, pois, quer na penúria, quer no luxo, felizes são os que n’Ele depositam sua confiança. E para evidenciar isto, completa com outros personagens, além de Nossa Senhora e São José, o quadro pobremente sublime de seu nascimento.

Quais são as primeiras pessoas que o Divino Infante acolhe na Gruta? Uns simples pastores. Não pode limitar-se a uma mera coincidência o fato de terem sido estes os primeiros a visitá-Lo. Foram eles escolhidos não por causa de sua modesta condição econômica ou social, mas porque possuíam uma valiosa credencial para alcançar a predileção de Deus: a humildade de coração. A estes pequeninos, realmente pobres, Ele manda chamar antes de quaisquer outros, e o faz de uma maneira esplendorosa, digna de sua infinita majestade: “Um Anjo do Senhor apareceu-lhes e a glória do Senhor refulgiu ao redor deles” (Lc 2, 9).

 Adoração dos Reis e dos Pastores – Igreja de Santa Maria, Waltham (Estados Unidos)

Não obstante, houve também outros convidados: os Magos que, vindos de terras longínquas, seguiram a estrela até chegar a Belém. “Entrando na casa, acharam o Menino com Maria, sua Mãe. Prostrando-se diante d’Ele, O adoraram. Depois, abrindo seus tesouros, ofereceram-Lhe como presentes: ouro, incenso e mirra” (Mt 2, 11).

Diante do Pobre, por excelência, eles abriram seus valiosos regalos; diante do Rei dos reis e Criador do universo, se prosternaram rendendo-Lhe afetuosa adoração. E nem sequer estranharam a singela aparência do Menino, pois entre Jesus e eles havia um traço de profunda consonância: eram pobres! Ele, Senhor do Céu e da Terra; eles, segundo uma piedosa tradição, reis de vastos domínios no Oriente. Suas almas, porém, não estavam presas às riquezas materiais. Pelo contrário, escalavam píncaros mais elevados!

Tanto os pastores quanto os Magos buscavam a Deus e não a si mesmos, queriam adorá-Lo e não ser adorados, desejavam servi-Lo e não satisfazer seus meros interesses. Razão de O haverem encontrado. Ele os atraiu a Si não porque tivessem poucas ovelhas ou muitos castelos, mas sim porque uns e outros eram despretensiosos, limpos de orgulho e cheios de fé.

Saibamos também nós ser pobres de verdade, para assim recebermos a fortuna inestimável que o melífluo São Bernardo tão bem soube enaltecer ao cantar as grandezas do Menino Deus: “Mais preciosos são os paninhos do Salvador que toda a púrpura; e mais glorioso é este Presépio que os tronos dourados dos reis; mais rica, enfim, é a pobreza de Cristo que todas as riquezas e tesouros. Pois o que pode existir de mais rico que uma pobreza e de mais precioso que uma humildade com que se compra verdadeiramente o Reino dos Céus e se adquire a graça divina, segundo está escrito: ‘Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o Reino dos Céus’ (Mt 5, 3)?”.

 
Comentários