Fale conosco
 
 
Receba nossos boletins
 
 
 
Arautos


Cavalaria de Maria


Cavalaria de Maria: Uma comunidade religiosa em missão permanente
 
AUTOR: DIÁC. THIAGO DE OLIVEIRA GERALDO, EP
 
Decrease Increase
Texto
Solo lectura
13
0
 
Cavalaria de Maria_Arautos do Evangelho.jpg

Ouve-se de repente uma música e surge na esquina uma bela imagem de Nossa Senhora,
conduzida de casa em casa pelos Arautos do Evangelho. É a Cavalaria de Maria! Mais
de 250 cidades brasileiras já presenciaram essa cena…

Thiago de Oliveira Geraldo

Cada época histórica apresenta desafios ao zelo e à criatividade do apóstolo, com novas possibilidades de atuação e novas dificuldades a enfrentar. E um dos grandes desafios para a Igreja, no Brasil atual, é o de reaproximar o enorme número de católicos que se afastaram da prática religiosa, deixando vazias tantas igrejas. Como reverter tal situação?

Com esse objetivo, inspirou a Divina Providência a criação, no seio da Associação Privada de Fiéis de Direito Pontifício Arautos do Evangelho, de uma unidade itinerante que sai à procura das ovelhas dispersas: a Cavalaria de Maria, instituída em 2002 por Mons. João Scognamiglio Clá Dias. Trata-se de um conjunto de missionários que percorrem o Brasil de norte a sul, não em fogosos corcéis, como os cavaleiros de outrora, mas utilizando modernos meios de locomoção.

Conduzem a imagem do Imaculado Coração de Maria de casa em casa – literalmente por vales e montes, com chuva ou bom tempo – e transmitem a todos uma mensagem de alento e de esperança no auxílio da graça divina para a solução de todos os problemas espirituais e materiais.

Paulo Afonso (BA)
cavalaria_de_maria_2.jpg
cavalaria_de_maria_3.jpg cavalaria_de_maria_4.jpg
Cascavel (PR) Salvador (BA)
cavalaria_de_maria_5.jpg Aspecto Missao Mariana.jpg
Adamantina (SP)
Alguns aspectos da vida diária da Cavalaria de Maria em diversas cidades do Brasil

Como se desenvolve essa atividade? E como é a vida cotidiana desses missionários?

Vida comunitária em cada paróquia

Duas características principais marcam as atividades apostólicas dessa comunidade itinerante. A primeira é que a Missão Mariana sempre se realiza a pedido do pároco. E o seu maior ou menor sucesso depende em grande parte do zelo e do entusiasmo desse sacerdote, que acaba influenciando todos os fiéis. Há muitos casos em que o pároco fez questão de acompanhar os arautos durante todo o tempo da missão, em geral, uma semana.

Entretanto, por muito intensas que sejam suas atividades evangelizadoras, os integrantes da Cavalaria de Maria jamais abandonam a vida comunitária, adaptada, é claro, às circunstâncias. De manhã assistem à Santa Missa, celebrada por um sacerdote arauto, e recitam em conjunto, ante o Santíssimo Sacramento exposto, a Liturgia das Horas e o Rosário.

Por vezes também o pároco participa desses atos de vida comunitária e recebe graças especiais. “A Cavalaria de Maria salvou a vocação de um padre!” – confidenciou um deles, emocionado. E outro comentou: “Pelo exemplo dado, inclusive pelos arautos mais jovens, de se confessarem toda semana, passei a imitá- los e estimulo outros padres a fazerem o mesmo”.

Como se desenvolve uma Missão Mariana?

As Missões Marianas costumam durar uma semana. O início é sempre impactante. A imagem de Nossa Senhora entra na cidade precedida por uma animada carreata, com rojões e música. Essa recepção festiva atrai os paroquianos para a matriz, onde é celebrada a Eucaristia de abertura da missão e se anuncia que todos serão visitados ao longo da semana.

Nos dias subsequentes, os missionários percorrem as ruas da paróquia, de casa em casa. Quem queira receber de portas e coração abertos a imagem da Mãe de Deus, é atendido. E quantas vezes isso se dá em momentos de extrema aflição!