Fale conosco
 
 
Receba nossos boletins
 
 
 
Notícias


Notícias


Cardeal Sarah exorta educadores católicos a inspirarem seus alunos no bom, belo e justo
 
PUBLICADO POR ARAUTOS - 19/11/2019
 
Decrease Increase
Texto
Solo lectura
1
0
 

Polônia – Varsóvia (Terça-feira, 19-11-2019, Gaudium Press) O Cardeal Robert Sarah, Prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, visitou a Polônia a convite do Foro Nacional de Escolas Católicas, cuja edição número 30 foi celebrada em Jasna Gora. Para motivar os docentes à um testemunho decidido da Fé ante os estudantes, o purpurado lhes propôs a figura de Santo Alberto Magno, que através de seu trabalho educativo assentou as bases da investigação teológica de seu aluno São Tomás de Aquino.

Cardeal Sarah exorta educadores católicos a inspirarem seus alunos no bom, belo e justo.jpg

O trabalho do educador “recorda o esforço de um camponês que cultiva terras às vezes áridas, cobertas de ervas daninhas depois da colheita de outono”, indicou o Cardeal Sarah aos mestres. “Nunca percas a esperança em teus discípulos, confia. Talvez haja novos Tomás de Aquino entre eles, atuem como Santo Alberto Magno, deem aos teus alunos um exemplo de uma mente que tem curiosidade por descobrir o mundo e que lhe apaixona a sabedoria”.

O Prefeito destacou a importância do testemunho dos educadores em momentos em que a cultura vive uma crise em sua relação com os valores do Evangelho. “Um mestre católico mostra com seu ensinamento a harmonia do conhecimento humano e sua compreensão da vida de compromisso à serviço da verdade do Evangelho”. Suas palavras foram escutadas por cerca de 500 diretores e mestres convocados aos dois dias de encontro.

“O trabalho de evangelização nunca é uma mera adaptação a diferentes culturas, mas também é sempre uma purificação, uma ruptura audaz que se converte em maturidade e cura, uma abertura que permite o nascimento de uma nova criação que é fruto do Espírito Santo”, expôs o Cardeal. Em contradição, o homem moderno vive imerso em uma vida na qual não se busca o Reino de Deus. Por esta causa, motivou, “peçamos a graça de um estado de alerta, um estado de oração tanto no estudo como no ensinamento”. (EPC)

 
Comentários