Fale conosco
 
 
Receba nossos boletins
 
 
 
Artigos


Especiais


Os milagres de Lourdes reconhecidos oficialmente
 
AUTOR: REDAÇÃO
 
Decrease Increase
Texto
Solo lectura
10
0
 

A ofensiva das críticas, calúnias e detração contra os milagres de Lourdes favoreceu o aparecimento de um órgão que tinha como encargo constatar, com todo rigor científico, a autenticidade e a natureza dos milagres acontecidos em Massabielle.

Milhares de pessoas buscam os milagres de Lourdes

Anualmente, movidos pelas notícias dos milagres de Lourdes, milhares de pessoas deixam suas casas e seguem até o Santuário, erguido em honra a Nossa Senhora para pedir graças, a cura de uma doença ou agradecer por ter conseguido superar uma enfermidade.

Muitos acreditam que se operou um milagre em suas vidas, mas para a Igreja reconhecer que realmente houve a “assinatura de Deus” nesta cura, existe um longo e minuncioso processo.

Tudo começa no Escritório de Constatações Médicas, um organismo criado em 1880 que tem como principal objetivo, avaliar todos os casos que se apresentam como uma cura milagrosa.

Dr. Thales Gouveia Limeira é médico hematologista e professor da Universidade Federal do Espírito Santo. Ele é um dos muitos médicos espalhados pelo mundo inscritos no escritório de Lourdes e que recebe informações sobre os casos que são apresentados e que estão sendo avaliados.

Ele explica que se uma pessoa vai à Lourdes e “acha que obteve a cura de uma doença, ela se apresenta e relata o que aconteceu. Muitas vezes essa cura é uma coisa que não há como investigar como por exemplo: a cura de uma dor de cabeça tomando água da fonte de Lourdes”.

Rigorosas avaliações para se atestar os milagres

Quando o escritório recebe uma pessoa que se diz curada de uma enfermidade graças a um milagre, imediatamente é emitido um aviso a todos os hotéis e pousadas de Lourdes, convocando os médicos que estão na cidade para comparecerem ao Bureau para conhecerem e examinarem a pessoa.

 

“Todos os médicos que estão em Lourdes são convidados, independente de sua convicção religiosa. A única coisa que se pede é que sejam honestos e atestem o que realmente viram. A pessoa fica à disposição e pode ser examinada, pode-se medir a pressão e fazer o exame de olho de fundo e ao final, o médico deve escrever o que realmente presenciou”, explica Dr. Thales.

Passada esta primeira avaliação é necessário observar se a doença não apresenta uma recaída, ou seja, a cura tem que ser estável. Se os médicos decidirem pela continuação do processo, ele fica arquivado pelo período de um ano.

Durante este tempo, a pessoa tida como “curada”, fica sob a observação de um médico designado pela comissão. Caberá a este especialista colher testemunhas e solicitar ao investigado, a realização ou não de novos exames para constatar se de fato, a cura é definitiva.

Os milagres de Lourdes reconhecidos oficialmente

Apesar de todo este processo, esta ainda é considerada a fase mais fácil. Isso porque em se dando continuidade a investigação, a fase seguinte é mais criteriosa: a investigação canônica.

Dr. Thales explica que todo este processo que foi estudado até o momento, é encaminhado ao bispo da diocese onde o miraculado reside que vai instituir uma Comissão Canônica. Esta é composta por alguns padres – muitos deles bem rigorosos – para se verificar a vida deste indivíduo. “Eles querem saber tudo, desde se a pessoa está procurando a auto-promoção como esta suposta cura, se a sua situação de família é estável, se sua vida familiar é correta, se a relação com os filhos, com a esposa, com os parentes funciona, muitas vezes, comparando o antes e o depois, se este indivíduo comparece a Missa, se ajuda os pobres, enfim, saber se aquela cura aconteceu num contexto em que se possa dizer que houve um milagre”.

Calcula-se que anualmente cerca de três milhões de pessoas vão a Lourdes em peregrinação. Desde o início das aparições em 1858, 300 milhões de peregrinos foram até o Santuário sendo 20 milhões de doentes que passaram pelos nove hospitais especializados na cidade. No entanto, até agora, apenas 67 curas foram reconhecidas pela Igreja como milagrosas, embora duas mil tenham sido reconhecidas pelos médicos. Pode-se dizer que a cada dois anos, acontece um milagre em Lourdes.

Os milagres reconhecidos são:

»1. Sra. Catherine Latapie, apelidada Chouat, de Loubajac (França). Paralisia havia 18 meses. Ou seja, por volta de 38 anos, no dia 01-03-1858. Assim em Tarbes, 18-01-1862.
»2. Sr. Louis Bouriette, de Lourdes (França). Perda da vista havia 20 anos. Assim, 54 anos em março de 1858. Assim em Tarbes, 18-01-1862.
»3. Sra. Blaisette Cazenave, (nascida Soupène), de Lourdes (França). Assim houve oftalmia crônica havia 3 anos. Dessa forma, por volta de 50 anos, março de 1858. Tarbes, 18-01-1862.
»4. Sr. Henri Busquet, de Nay (França). Assim houve adenite com úlcera havia 15 meses. Por volta de 15 anos, em 28-04-1858. Tarbes, 18-01-1862.
»5. Sr. Justin Bouhort, de Lourdes (França). Assim houve atraso de desenvolvimento e consumição física, 2 anos em 06-07-1858. Tarbes, 18-01-1862.
»6. Sra. Madeleine Rizan, de Nay (França). Assim houve hemiplegia do lado esquerdo havia 24 anos, 58 anos aproximadamente em 17-10-1858. Tarbes, 18-01-1862.
»7. Srta. Marie Moreau, de Tartas (França). Assim houve perda da vista com lesões inflamatórias havia 10 meses, 17 anos aproximadamente em 09-11-1858. Tarbes, 18-01-1862.
»8. Sr. Pierre de Rudder, de Jabbeke (Bélgica). Assim houve fratura exposta da perna esquerda com seudo-artrose, 52 anos em 07-04-1875. Bruges (Bélgica) 25-07-1908.
»9. Srta. Joachime Dehant, de Gesves (Bélgica). Assim houve ulcera da perna direita com gangrena muito desenvolvida, 29 anos em 13-09-1878. Namur (Bélgica) 25-04-1908.
»10. Srta. Elisa Seisson, de Rognonas (França). Assim houve hipertrofia do coração com edemas nos membros inferiores, 27 anos em 29-08-1882. Aix-en-Provence 02-07-1912.
»11. Irmã Eugenia, (Marie Mabille), de Bernay (França). Assim houve abscesso com fístulas, flebite, 28 anos em 21-08-1883. Evreux 30-08-1908.
»12. Irmã Julienne, (Aline Bruyère), de La Roque (França). Assim houve tuberculose pulmonar, 25 anos em 01-09-1889. Tulle 07-03-1912.
»13. Irmã Joséphine-Marie, (Anne Jourdain), de Goincourt (França). Assim houve tuberculose pulmonar, 36 anos em 21-08-1890. Beauvais 10-10-1908.
»14. Srta. Amélie Chagnon, (Religiosa do Sagrado Coração em 25-09-1894), de Poitiers (França). Assim houve osteoartrite tuberculosa no joelho e no pé, 17 anos em 21-08-1891. Tournai (Bélgica) 08-09-1910.
»15. Srta. Clémentine Trouvé, (Irmã Agnès-Marie), de Rouille (França). Assim houve osteoperiostite do pé direito com flebite, 14 anos em 21-08-1891. Paris 06-06-1908.
»16. Srta. Marie Lebranchu, (Sra. Wuiplier), de Paris (França). Assim houve tuberculose pulmonar, 35 anos em 20-08-1892. Paris 06-06-1908.
»17. Srta. Marie Lemarchand, (Sra. Authier), de Caen (França). Assim houve tuberculose pulmonar com úlceras no rosto e na perna, 18 anos em 21-08-1892. Paris 06-06-1908.
»18. Srta. Elise Lesage, de Bucquoy (França). Assim houve osteoartrite tuberculosa do joelho, 18 anos em 21-08-1892. Arras 04-02-1908.
»19. Irmã Maria da Apresentação, (Sylvanie Delporte), de Lille (França). Assim houve gastrenterite crônica tuberculosa, 46 anos em 29-08-1892. Cambrai 15-08-1908.
»20. Padre Cirette, de Beaumontel (França). Assim houve esclerose espinal, 46 anos em 31-08-1893. Evreux 11-02-1907.
»21. Srta. Aurélie Huprelle, de Saint-Martin-le-Noeud (França). Assim houve tuberculose pulmonar aguda, 26 anos em 21-08-1895. Beauvais 01-05-1908.
»22. Srta. Esther Brachmann, de Paris (França). Assim houve peritonite tuberculosa, 15 anos em 21-08-1896. Paris 06-06-1908.
»23. Srta. Jeanne Tulasne, de Tours (França). Assim houve mal de Pott lombar, 20 anos em 08-09-1897. Tours 27-10-1907.
»24. Srta. Clémentine Malot, de Gaudechart (França). Assim houve tuberculose pulmonar, 25 anos em 21-08-1898. Beauvais 01-11-1908.
»25. Sra. Rose François, (nascida Labreuvoies), de Paris (França). Assim houve fleimão com fístulas no braço direito e enorme edema, 36 anos em 20-08-1899. Paris 06-06-1908.
»26. Padre Salvador, de Rouelle (França). Assim houve peritonite tuberculosa, 38 anos em 25-06-1900. Rennes 01-07-1908.
»27. Irmã Maximilien, (Religiosa da Esperança) de Marselha (França). Assim houve quisto no fígado e flebite na perna esquerda, 43 anos em 20-05-1901. Marselha 05-02-1908.
»28. Srta. Marie Savoye, de Cateau-Cambresis (França). Assim houve doença mitral reumática descompensada, 24 anos em 20-09-1901. Cambrai 15-08-1908.
»29. Sra. Johanna Bézenac, (nascida Dubos), de Saint-Laurent-des-Bâtons (França). Assim houve caquexia de origem desconhecida e impetigo, 28 anos em 08-08-1904. Périgueux 02-07-1908.
»30. Irmã Saint-Hilaire, (Lucie Jupin), de Peyreleau (França). Assim houve tumor abdominal, 39 anos em 20-08-1904. Rodez 10-05-1908.
»31. Irmã Sainte-Béatrix, (Rosalie Vildier), d’Evreux (França). Assim houve laringobronquite tuberculosa, 42 anos em 31-08-1904. Evreux 25-03-1908.
»32. Srta. Marie-Thérèse Noblet, d’Avenay (França). Assim houve mal de Pott, 15 anos em 31-08-1905. Reims 11-02-1908.
»33. Srta. Cécile Douville de Franssu, de Tournai (Bélgica). Assim houve peritonite tuberculosa, 19 anos em 21-09-1905. Versailles 08-12-1909.
»34. Srta. Antonia Moulin, de Vienne (França). Assim houve fistula no fêmur direito e artrite no joelho, 30 anos em 10-08-1907. Grenoble 06-11-1910.
»35. Srta. Marie Borel, de Mende (França). Assim houve seis fístulas nas regiões lombar e abdominal, 27 anos em 21/22-08-1907. Mende 04-06-1911.
»36. Srta. Virginie Haudebourg, de Lons-le-Saulnier. Assim houve cistite tuberculosa e nefrite, 22 anos em 17-05-1908. Saint-Claude 25-11-1912. (França).
»37. Sra. Marie Biré, (nascida Lucas), de Sainte-Gemme-la-Plaine (França). Assim houve cegueira de origem cerebral e atrofia papilar bilateral, 41 anos em 05-08-1908. Luçon 30-07-1910.
»38. Srta. Aimée Allope, de Vern (França). Assim houve numerosos abscessos tuberculosos, quatro dos quais com fístula, 37 anos em 28-05-1909. Angers 05-08-1910.
»39. Srta. Juliette Orion, de Saint-Hilaire-de- Voust (França). Assim houve tuberculose pulmonar e da laringe, 24 anos em 22-07-1910. Luçon 18-10-1913.
»40. Sra. Marie Fabre, de Montredon (França). Assim houve enterite, dispepsia e prolapso uterino, 32 anos em 26-09-1911. Cahors 08-09-1912.
»41. Srta. Henriette Bressolles, de Nice (França). Assim houve mal de Pott, paraplégica, 28 anos aproximadamente em 03-07-1924. Nice 04-06-1957.
»42. Srta. Brosse Lydia, de Saint-Raphaël (França). Assim houve fistulas tuberculosas múltiplas, 41 anos em 11-10-1930. Coutances 05-08-1958.
»43. Irmã Marie-Marguerite, (Françoise Capitaine), de Rennes (França). Assim houve abscesso do rim esquerdo com edema e crises cardíacas, 64 anos em 22-01-1937. Rennes 20-05-1946.
»44. Srta. Louise Jamain, (Sra. Maître), de Paris (França). Assim houve tuberculose pulmonar, intestinal e peritoneal, 22 anos em 01-04-1937. Paris 14-12-1951.
»45. Sr. Francis Pascal, de Beaucaire (França). Assim houve cegueira e paralise dos membros inferiores, 3 anos 10 mois em 31-08-1938. Aix-en-Provence 31-05-1949.
»46. Srta. Gabrielle Clauzel, d’Oran (Algérie). Assim houve espondite reumatica, 49 anos em 15-08-1943. Oran (Algeria) 18-03-1948.
»47. Srta. Yvonne Fournier, de Limoges (França). Assim houve síndrome de Leriche, 22 anos em 19-08-1945. Paris 14-11-1959.
»48. Sra. Rose Martin, (nascida Perona), de Nice (França). Assim houve câncer no colo do útero, 46 anos em 03-07-1947. Nice 17-03-1958.
»49. Sra. Jeanne Gestas, (nascida Pelin), de Bègles (França). Assim houve perturbações dispépticas com acidentes pós-operatórios, 50 anos em 22-08-1947. Bordeaux 13-07-1952.
»50. Srta. Marie-Thérèse Canin, de Marseille (França). Assim houve mal de Pott e peritonite tuberculosa, 37 anos em 09-10-1947. Marselha 06-06-1952.
»51. Srta. Maddalena Carini, de San Remo (Itália). Assim houve peritonite tuberculose, tuberculose pleural, pulmonar e óssea com artrite coronária, 31 anos em 15-08-1948. Milão (Itália) 02-06-1960.
»52. Srta. Jeanne Frétel, de Rennes (França). Assim houve péritonite tuberculosa, 34 anos em 08-10-1948. Rennes 20-11-1950.
»53. Srta. Théa Angele, (Irmã Maria-Mercedes), de Tettnang (Alemanha). Assim houve esclerose em placas havia seis anos, 20 anos em 20-05-1950. Tarbes-Lourdes 28-06-1961.
»54. Sr. Evasio Ganora, de Casale (Itália). Assim houve doença de Hodgkin, 37 anos em 02-06-1950. Casale (Itália) 31-05-1955.
»55. Srta. Edeltraud Fulda, (Sra. Haidinger), de Viena (Áustria). Assim houve doença de Addison, 34 anos em 12-08-1950. Viena (Áustria) 18-05-1955.
»56. Sr. Paul Pellegrin, de Toulon (França). Assim houve fístula pós-operatória de um abscesso do fígado, 52 anos em 03-10-1950. Fréjus-Toulon 08-12-1953.
»57. Irmão Léo Schwager, de Friburgo (Suíça). Assim houve esclerose em placas havia cinco anos, 28 anos em 30-04-1952. Genebra (Lausanne) Friburgo (Suíça). 18-12-1960.
»58. Sra. Alice Couteault, (nascida Gourdon), de Bouille-Loretz (França). Assim houve esclerose em placas havia três anos, 34 anos em 15-05-1952. Poitiers 16-07-1956.
»59. Srta. Marie Bigot, de La Richardais (França). Assim houve cegueira, surdez e hemiplegia, 31 anos em 08-10-1953 e 32 anos em 10-10-1954. Rennes 15-08-1956.
»60. Sra. Ginette Nouvel, (nascida Fabre), de Carmaux (França). Assim houve doença de Budd-Chiari, 26 anos em 21-09-1954. Albi 31-05-1963.
»61. Srta. Elisa Aloi, (Sra. Varacalli), de Patti (Itália). Assim houve tuberculose osteoarticular com fístulas múltiplas, 27 anos em 05-06-1958. Messina (Itália) 26-05-1965.
»62. Srta. Juliette Tamburini, de Marselha (França). Assim houve osteoperiostite femoral com fístula havia 10 anos, 22 anos em 17-07-1959. Marselha 11-05-1965.
»63. Sr. Vittorio Micheli, de Scurelle (Itália). Assim houve sarcoma do quadril, 23 anos em 01-06-1963. Trento 26-05-1976.
»64. Sr. Serge Perrin, de Lion d’Angers (França). Assim houve hemiplegia direita com lesões oculares, perturbações circulatórias, 41 anos em 01-05-1970. Angers 17-06-1978.
»65. Srta. Delizia Cirolli, (Sra. Costa), de Paternò (Itália). Assim houve sarcoma de Ewing no joelho esquerdo, 12 anos em 24-12-1976. Catania (Itália) 28-06-1989.
»66. Sr. Jean-Pierre Bély, de La Couronne (França). Assim houve esclerose em placas, 51 anos em 09-10-1987. Angoulême 9-02-1999.
»67. Srta. Anna Santaniello, Salerno (Itália). Assim houve descompensação cardíaca resultante de reumatismo articular agudo, 41 anos em 19-08-1952 Salerno (Itália) 21-09-2005 .

Voltar ao topo

Milagres de Lourdes

 
Comentários