Fale conosco
 
 
Receba nossos boletins
 
 
 
Artigos


Artigos


A esmola, o jejum e a penitência - Data: 02 de Março 2022
 
 
Decrease Increase
Texto
Solo lectura
1
0
 
Buscar por dia

Navegue no Calendário Litúrgico ao lado e saiba mais sobre os santos de cada dia.
 
Escolha o santo deste dia

Na Quaresma que iniciamos, ouvimos muito falar de jejum, esmola e penitência. O que está tríplice prática faz por nós neste tempo de preparação para a Páscoa?

Objetivo do ser humano

Aprendemos no catecismo que o objetivo do homem nesta Terra é: “conhecer, amar e servir a Deus e, mediante isso, alcançar sua salvação”. O que muitas vezes esquecemos é que nossa felicidade está vinculada a esse objetivo.

Deus nos criou para que, ao seu serviço, tenhamos nossa necessidade de Absoluto atendida. Afinal, Ele é o único Infinito, pois todas as demais coisas passam e nos frustram.

Porém, como o ser humano é um ser inconstante, muitas vezes ele se apega a bens materiais, tornando-se vil e infeliz no processo. Ele pode, inclusive, tornar-se cego de tanto apego e parar de dar atenção à graça de Deus. Isto pode lhe proporcionar um bem instantâneo, temporal, mas quando esta overdose passar, a ressaca e frustração lhe serão imensas.

Com o intuito de evitar este mesmo processo pelo qual passou o Filho Pródigo, de precisar comer as bolotas dos porcos para se dar conta de como seu Pai era bom, a Santa Igreja institui algumas obras de caridade que nos fazem focar no que realmente importa. Elas são a esmola, o jejum e a penitência.

A Esmola

Um dos grandes maus da humanidade sempre foi e será a ganância. O desejo pelo conforto e luxo que o dinheiro compra sempre será um sentimento ardente. Ele pode não ser um mal em si mesmo, mas facilmente se torna avareza, egoísmo e injustiça.

A Santa Mãe Igreja, para lembrar aos homens e mulheres que nosso destino não é esta terra, mas o Céu, e que o dinheiro é um ótimo escravo, mas péssimo senhor, reforça a necessidade da esmola e da caridade.

Muitas vezes esta esmola não será em espécie, em papel e moedas, mas sim em generosidade: ensinar o ignorante, corrigir o errado, ajudar o próximo através de um conselho ou bom exemplo.

O jejum e a penitência

A privação de algo por decisão própria torna a vontade mais forte, o intelecto mais aguçado. O jejum não precisa ser só de alimentos, mas também de hábitos desordenados. Estes podem não ser diretamente um pecado, mas tornam o homem susceptível a ofender a Deus quando for mais especialmente provado.

Um deles é levantar-se tarde da cama (aqui não se leva em conta trabalhadores noturnos, ou atividades muito exaustivas, ou seja, reais necessidades). Conta-se na Sagrada Escritura que, enquanto todos estavam em Guerra, Davi mantinha-se no Palácio.

Ao levantar-se tarde, quando o sol já se punha, ele foi passear pelo terraço e viu Betsabéia a banhar-se. Mandou que a buscassem e se deitou com ela. E assim cai Davi, o justo, o prometido de Deus, por um mau hábito.

O jejum tem isto em vista: privar o ser humano de algo bom, para, quando for tentado, conseguir privar-se de algo mal.

Outro fator superestimado no mundo atual é a saúde. Costumeiramente se diz: “Se Deus me der saúde, para mim basta”. Infelizmente, a saúde de alma, a pureza de coração é deixada de lado pelos idólatras da saúde.

Isto não quer dizer que se deve parar de cumprir prescrições médicas ou deixar de tomar remédio; não é o conselho da Santa Igreja. Ela alerta o exagerado cuidado com a saúde, que torna o ser humano egoísta e pouco aberto às necessidades dos outros.

Fazer penitência também consiste em mortificar a carne, o corpo, colocando-o no seu devido lugar. O ser humano é inteligência, vontade e sensibilidade, e esta hierarquia deve-se manter assim. Por isso, deixar de fazer manias e privar-se de certos supérfluos é o alvo da penitência.

 
Comentários