Artigos


Espiritualidade


Saber Cristão: manual do Advento
 
AUTOR: REDAÇÃO
 
Decrease Increase
Texto
Solo lectura
1
0
 

O que o cristão precisa saber sobre o tempo do Advento?

No próximo domingo, dia 27 de novembro, a Santa Igreja iniciará um novo tempo de celebração: o advento. Este ciclo litúrgico inicia um novo ano religioso, onde os fiéis terão oportunidade de, junto com seu pároco ou bispo, realizar novas reflexões e meditações propostas pela Igreja. Para aqueles pouco próximos das particularidades deste novo tempo, preparamos um manual do Advento, onde exporemos algumas de suas características, símbolos, práticas e determinações. Venha conosco para adentrarmos mais profundamente no mundo católico.

Qual a finalidade do Advento?

A palavra Advento é de origem latina, formada pelo verbo “venir” (vir) e a preposição “Ad” (em direção à). Ou seja, literalmente advento significa “vir em nossa direção”, “vir a nós”. Este tempo litúrgico foi instituído para que os cristãos imergissem numa preparação para a celebração do Natal, a fim de comemorar o Nascimento do Menino Jesus com maior compenetração.

É por isso que, em contraste com o alegre branco do Natal, no Advento a cor usada é o roxo, e isso se reflete no paramento do padre e nos utensílios do altar. A cor roxa traz uma certa seriedade que pede do fiel menos júbilo e mais interiorização. Pois, para a Santa Igreja, um tempo de preparação significa purificação, penitência; nas Missas não se canta mais o Glória, o altar não recebe mais flores, e o material de serviço litúrgico é menos esplendoroso (para aquelas igrejas que possuem material histórico, o recomendável é usar cores mais neutras, como prateadas e não douradas)

Como a celebração para a qual estamos nos preparando é o Natal, e não o Tríduo Pascal, tempo de muito sofrimento para Nosso Senhor, o Advento não é tão rigoroso quanto a Quaresma. Por isso, ainda se canta, antes da leitura do Evangelho, a aclamação “aleluia, aleluia, aleluia”, cântico que é suprimido na Quaresma.

Novos tempos, novos ciclos

O Advento, como preparação para o Natal de Jesus, quer dos cristãos uma reflexão de sua vida. Como início o novo ano litúrgico, o objetivo é um bom exame de consciência para a nova vida que vem através da vinda do Menino Deus. Ao cruzarmos o ano-novo, em dezembro, sempre paramos para pensar como foi nossa conduta no passado e os propósitos para o futuro. Este manual do Advento estimula em nós as devidas perguntas: como fui eu na vida da Igreja? Tenho praticado a fé que escolhi assumir? Esta fé tem gerado efeitos práticos em minha vida, ou, quando saio da Missa de domingo, eu me transformo em outra pessoa?

Um novo ciclo é proposto para o cristão “faxinar-se” a si. Muita poeira cai durante o Tempo Comum, e muitas virtudes vão sendo automatizadas e esquecidas. É aquele esforço em ser um pai ou mãe melhores que vai sumindo; aquele empenho em cumprir o dever no trabalho que vai se apagando; aquele propósito de rezar mais em família que vai sendo esquecido. No Advento, a Igreja suscita todas estas reflexões e pede novas atitudes. Isso deve gerar um exame de consciência, que desabrochará numa confissão: diante do sacerdote, devemos declinar nossos pecados, ouvir seus conselhos e sair de lá com uma alma limpa e um coração tranquilo para celebrar o nascimento de Jesus.

Como a Igreja estimula a penitência no Advento?

cor dos paramentos roxos no adventoDiferente da quaresma, onde a Santa Igreja nos propõe uma penitência e um propósito de renúncia, que varia de pessoa para pessoa,com dias em que o jejum é obrigatório, como a Quarta-Feira de Cinzas e a Sexta-Feira Santa, no Advento não temos essa convocação. O foco é muito mais no autoaperfeiçoamento do que propriamente na penitência em si; o que se caracteriza com leituras mais reflexivas e conselhos mais ardentes.

Inclusive, tal divisão consta nos próprios evangelhos dos quatro domingos do Advento: no primeiro e segundo lemos sobre São João Batista, seu estilo de vida rústico e penitencial. Ele representa o cristão perfeito diante da vinda de Cristo: desapegado, austero e profético. É por isso que, no Evangelho, temos uma observação sagaz de Jesus: “Enquanto o noivo não está, os convidados esperam e jejuam; mas quando chega o noivo, os convidados devem celebrar com ele”. São João Batista é o amigo sem o noivo, ou seja, simboliza o primeiro período do Advento. Já no terceiro e quarto domingo, estamos muito próximos do Natal. Assim, as leituras tornam-se menos exigentes e mais consoladoras, porque Jesus vem para curar e salvar.

Tem jejum, esmola e penitência no Advento?

Como dito anteriormente, o foco do Advento não é estimular a penitência, mas sim uma purificação mais contida. Por isso, segundo nosso manual do Advento, não há o grande volume de leituras bíblicas sobre jejum, esmola e penitência como há na quaresma. Porém, muitos fiéis acabam fazendo também uma penitência de renúncia, se abstendo de comer algum quitute ou de alguma atitude extravagante. Outros ainda procuram afervorar sua vida de piedade rezando mais ou indo em outros dias da semana à Missa, não só no domingo, para estar com a alma mais flexível para o Natal.

O importante, no Advento, é se abrir mais para a generosidade que o Natal nos convida. Jesus desceu do alto de seu trono, mascarando sua divindade em uma frágil criança, aceitando sofrer o que havia de pior: fome, frio, pobreza e perseguição. É nosso papel, como seguidores de Cristo, termos compaixão e procurarmos sermos menos egoístas e caprichosos no Natal, sendo o Advento um tempo ótimo para nos prepararmos para isso.

Símbolos litúrgicos do Advento

Na santa celebração, alguns símbolos são de grane valia para ensinar a nós o papel da purificação. O primeiro deles, como já falamos acima, é a tomada do roxo nos paramentos dos celebrantes e a ausência de flores coloridas e vistosas. Mas mesmo o ministério da música cuidará para que os cânticos sejam mais reflexivos, e as letras sejam sobre a espera e a preparação.

Outros símbolos que podemos elencar no Manual do Advento: a cada domingo, o celebrante acenderá uma vela que ficará próxima do altar, uma para cada domingo, totalizando quatro. As velas simbolizam a fé do povo que, cada vez mais próximo da vinda do Messias, se acendem, iluminando o ambiente em que vivem. Algumas tradições nos falam das cores de cada uma dessas velas: roxo para o primeiro domingo, verde para o segundo, rosa para o terceiro e branca para o quarto domingo.

Além disso, como na quaresma, o Advento possui um dia em que a alegria da comemoração do Nata transborda: é o terceiro domingo do advento, chamado de Domingo Laetare, ou domingo da alegria. Para aquelas igrejas que possuem, os paramentos e os tecidos litúrgicos são trocados do roxo para o róseo, simbolizando a mescla de uma gota da mais pura alegria (o branco) no roxo da penitência, formando assim a cor rosa.

Quais são as melhores leituras da Bíblia para o Advento?

leituras para um advento melhorComo tempo de preparação, o Advento nos pede reflexão e tomada de atitude. Alguns profetas do Antigo Testamento são bem vindos para essa ação: Isaías, Jeremias e Joel. Outros livros muito recomendados são os de Neemias e Esdras. Estes descrevem os acontecimentos logo após a queda e destruição do Templo pelos babilônicos, e a comunidade que começa sua caminhada novamente para o Senhor como escravos, agora libertos pela ordem do Rei. Como eles devem voltar novamente para sua terra, arrasada pelo inimigo e começar do zero novamente, os livros de Esdras e Neemias falam sobre humildade, fervor, paciência e autoaperfeiçoamento.

No Novo Testamento, podemos ler a carta aos Hebreus, que ensina sobre os símbolos que a antiga religião deixou à nova, falando sobre o percurso que o novo fiel de Jesus precisa fazer para abandonar seus antigos costumes e adquirir os novos. Para os mais ousados, vale a pena se aventurar pelo Evangelho de São João, passando pelo seu prólogo e começo da vida Pública de Jesus, procurando comentários de outros santos e doutores, como Santo Agostinho e São João Crisóstomo. São João é o último a escrever o evangelho, e o fez com a intenção de refutar algumas heresias que já via surgir, em especial aquela que considerava Jesus apenas um homem, e não Deus. É importante, para nós, cristãos, não termos dúvida de que aquela pequena e simples criança, nos braços da Virgem, que nascerá para nós no Natal, é também o Deus Todo-Poderoso e Senhor dos Exércitos.

Como levar as práticas do Manual do Advento nas próximas semanas?

O mais importante, no Advento, é fomentar a vida de oração, ou seja, tornar-se mais assíduo na comunicação com Deus, em sua família e consigo próprio. Esta prática é a porta para um Advento mais produtivo e frutificante. Depois, como o Advento é contido e reflexivo, também não é tempo para uma vida agitada: pode ser uma oportunidade para se abster de festas e comemorações onde a maioria das vezes o que se comete são inúmeros pecados, e não boas ações. É como um jejum: restrição para um objetivo maior.

Por último, o manual do Advento pede de nós, cristãos, que nos empenhemos em participar mais da vida da Igreja. As celebrações são voltadas para um momento de purificação, e todos os símbolos que a Igreja usa também nos ensinam, através do uso cotidiano. Se não vamos às celebrações, se negligenciamos a formação que a Santa Igreja nos passa, acabamos por esvaziar o significado deste tempo. Por isso, é importante o cristão se informar, se preparar e se fazer presente no tempo de purificação, sendo este é o intuito do Manual do Advento. Espero que os tópicos o ajudem a repensar melhor sua prática religiosa e a tornar-se um católico mais fervoroso.

 
Comentários