Perseguições por amor a Nossa Senhora
Acesse sua conta Login
Faça parte Cadastrese!
Arautos do Evangelho
Arautos Podcast contato Contato Rezem por mim
  Seu nome no Coração de Maria

Perseguições por amor a Nossa Senhora
Livro Jacinta e Francisco Prediletos de Maria - Mons João Clá - 2008/11/07

Ides, pois, ter muito que sofrer, mas a graça de Deus será o vosso conforto" - dissera Maria aos seus pequenos confidentes, quando eles se mostraram dispostos a oferecer sacrifícios pela conversão dos pecadores.

E os sofrimentos logo tiveram início.

Entre seus próprios familiares e vizinhos, foram muitas as incompreensões, desconfianças e zombarias. E as três crianças tiveram de suportar também a cruel perseguição do Administrador (com poderes mais ou menos de prefeito e delegado) de Vila Nova de Ourém, que a todo custo lhes queria arrancar o famoso Segredo.

Na manhã de 13 de agosto, dia marcado para a quarta aparição de Nossa Senhora, esse homem, inimigo da Religião pastorinhos 9.jpgCatólica, veio ao encontro dos pastorinhos, propondo gentilmente levá-los à Cova da Iria, na sua charrete. Não havendo como recusar, entraram no veículo, que pouco depois tomava direção contrária à da Cova da Iria. Só então lhes foi revelado que, na verdade, dirigiam-se para a Vila Nova de Ourém, onde o Administrador os meteu na cadeia, junto com criminosos.

Esse homem sem coração usou de todos os recursos para obter uma confissão, ameaçando-os até de fritá-los vivos no azeite fervente. Foi inú­til. A graça de Deus confortava os pequenos, e a fidelidade e determinação deles faziam lembrar o heroísmo dos primeiros mártires da Igreja.

Algumas cenas desse cruel episódio são realmente comovedoras, além de demonstrarem a profunda compenetração com que Jacinta e Francisco corresponderam aos apelos de Nossa Senhora. O que mais custava a Jacinta era o abandono dos pais. Com as lágrimas a lhe banharem a face, ela disse a Lúcia:

- Nem os seus pais, nem os meus vieram nos ver! Não se importam mais conosco!

- Não chore - disse-lhe Francisco. - Se não voltarmos a ver a mãe, paciência! Oferecemos pela conversão dos pecadores.

O pior é se Nossa Senhora não voltar mais! Isso é o que mais me custa! Mas também o ofereço pelos pecadores. - E, erguendo os olhos e as mãos ao Céu, fez o oferecimento: - Ó meu Jesus! É por vosso amor e pela conversão dos pecadores.  Jacinta acrescentou:

- É também pelo Santo Padre e em reparação dos pecados cometidos contra o Imaculado Coração de Maria.
"Quando, depois de nos terem separado", recorda a Irmã Lúcia, "voltaram a juntar- nos numa sala da cadeia, dizendo que dentro em pouco nos vinham buscar para nos fritar, Jacinta afastou-se para junto de uma janela, que dava para a feira do gado. Julguei, a princípio, que estaria se distraindo com a vista, mas não tardei a reconhecer que chorava. Fui buscá-la para junto de mim, e perguntei-lhe por que chorava:

- Porque vamos morrer sem tornar a ver nem os nossos pais, nem as nossas mães. Eu queria pelo menos ver a minha mãe!

- Então você não quer oferecer este sacrifício pela conversão dos pecadores?

- Quero, quero!"

Com as lágrimas lhe descendo pelas faces, as mãos e os olhos levantados ao Céu, Jacinta renovou com grande devoção o oferecimento que anteriormente fizera.

jacinta_03..jpgComo a situação se prolongava, os pastorinhos resolveram rezar o seu Terço. Jacinta tirou a medalha que trazia ao pescoço e, voltando-se para um dos presos com os quais estavam encarcerados, pediu-lhe que a pendurasse na parede. Puseram-se de joelhos diante dela e começaram a rezar, sendo aos poucos acompanhados pelos outros ocupantes da cela.

Assim se passaram dois dias, quando, para vencer a resistência das crianças, o Administrador (ou um de seus subordinados) lançou-lhes a ameaça de torturá-los no caldeirão de azeite. Jacinta foi a primeira a ser ameaçada:

- Diga o segredo, se não quiser ser queimada! - gritou-lhe o homem..

- Não posso!

- Não pode?! Vou fazer com que possa. Saia daí!

Sem hesitar, a menina caminhou para o que imaginava ser sua morte, sem mesmo despedir-se do irmão e da prima. Enquanto Jacinta era levada para os fundos da prisão, Francisco voltou-se para Lúcia e lhe disse, com enorme paz e alegria:

- Se nos matarem, daqui a pouco estaremos no Céu! Mas que bom! Não me importo nada.

E após um momento de silêncio, acrescentou:

- Deus queira que a Jacinta não tenha medo. Vou rezar uma Ave-Maria por ela!

Pouco depois chegou a vez dele. O carcereiro voltou a aparecer, dizendo:

- Aquela já está morta! Agora me revele o segredo.

- Não posso dizê-lo a ninguém! - respondeu o pequeno.

- Não pode? Veremos!

E, agarrando o pastorinho pelo braço, arrastou-o para fora da cela.

Lúcia ficou sozinha, aflita, à espera de ouvir os gritos dos primos que enfrentavam corajosamente o martírio. Nada escutou, porém. Passados alguns instantes, vieram buscá-la. Disseram-lhe que seus primos já estavam queimados, e que ela teria a mesma sorte se não revelasse o segredo. Manifestando a mesma coragem de seus companheiros, não cedeu às ameaças e caminhou sem medo para a morte.

Entretanto, chegando ao local onde deveria estar a caldeira de azeite fervente, encontrou Jacinta e Francisco, pálidos, francisco_marto_02.jpgporém sãos e salvos. Tudo não passara de uma diabólica armadilha do Administrador, para assustá-los e fazê-los falar. Por fim, esse péssimo homem teve de se dar por vencido, e dali a pouco mandava os pastorinhos de volta a casa.

O heroísmo que demonstraram, dispostos a sacrificar a própria vida para não contarem o segredo confiado pela Santíssima Virgem, era mais uma prova da autenticidade de tudo quanto acontecera na Cova da Iria. E, lá do alto, a bondosa Senhora ainda mais os abençoava e protegia, acompanhando com seu olhar doce e materno aqueles que, por amor a Ela, agüentavam tantas perseguições.

A Virgem Santíssima não demorou em consolar pessoalmente os seus queridos pastorinhos. Como estes não haviam podido comparecer à Cova da Iria no dia 13 de agosto, como Ela pedira, apareceu-lhes pela quarta vez no dia 19, na propriedade de um padrinho de Lúcia, chamada Valinhos.

Como sempre, Nossa Senhora os tratou com imensa bondade, insistindo em que continuassem a rezar o Terço todos os dias e a oferecer sacrifícios pela conversão dos pecadores.

Após o breve diálogo, Maria retirou-se em direção ao nascente, deixando as três crianças cheias de uma alegria inigualável!

Francisco, transbordante de contentamento, procurava uma explicação razoável para o que ocorrera, e comentava com Lúcia e Jacinta:

- Com certeza, Ela não nos apareceu no dia 13 para não ir à casa do Senhor Administrador, talvez por ele ser tão mau...

(Livro Jacinta e Francisco Prediletos de Maria - Monsenhor João Clá)

 

Votar Resultado 0  Votos

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.
  ORAÇÕES