Freira comboniana recebe prêmio por sua atuação no combate ao tráfico humano
Acesse sua conta Login
Faça parte Cadastrese!
Arautos do Evangelho
Arautos Podcast contato Contato Rezem por mim
  Vela de Natal

Freira comboniana recebe prêmio por sua atuação no combate ao tráfico humano
Gaudium Press - 2012/06/27

Washington (Quarta-feira, 27-06-2012, Gaudium Press) A Irmã Azeret Kidane, membro atuante da Comissão da Atividade Pastoral com os trabalhadores estrangeiros e requerentes de asilo do Patriarcado Latino de Jerusalém, foi reconhecida na última semana como heroína por sua contribuição extraordinária ao combate ao tráfico de seres humanos. A premiação foi concedida pelo Departamento do Tráfico de Pessoas dos Estados Unidos e coincidiu com a publicação anual do relatório sobre tráfico humano da instituição.

Residente em Jerusalém, a religiosa comboniana foi premiada especificamente pela sua atuação marcante em uma campanha realizada em Israel, junto com médicos que atuam pelos Direitos Humanos. Conforme a Rádio Vaticano, o trabalho desenvolvido pela freira nesta ocasião chamou a atenção do mundo para a questão do tráfico sistemático, sequestros e torturas perpetradas contra os refugiados do Deserto do Sinai, antes da entrada em Israel.

Irmã Azeret Kidane falou à Rádio Vaticano sobre sua atuação: "Nos dois últimos anos, centenas de requerentes de asilo, vítimas de torturas e do tráfico, compartilharam comigo as histórias inenarráveis de prolongado sofrimento físico e psicológico aos quais foram submetidas pelos traficantes no Deserto do Sinai", relatou. Conforme a religiosa, nenhum ser humano gostaria de ouvir os testemunhos chocantes "que ouvi cotidianamente na clínica aberta pelos médicos pelos Direitos Humanos, em Israel".

Dando mais detalhes sobre a situação dos requerentes de asilo em Israel, a freira comboniana contou que eles são detidos à força, torturados e muitas vezes mortos no Deserto do Sinai. Segundo a religiosa, o mundo não fez o bastante para deter esta violência; os esforços que faz junto aos médicos para os Direitos Humanos ajudam, mas não são a solução, sendo necessária uma ação internacional. (BD/JS)

 

Votar Resultado 1  Votos

Gostou desta página? Então comente e participe da nossa família! Se ainda não é usuário, basta se cadastrar. É simples, rápido e gratuito! Se já é usuário, basta fazer seu login.