Fale conosco
 
 
Receba nossos boletins
 
 
 
Artigos


Tesouros da Igreja


Entre os esplendores de Roma
 
AUTOR: PE. MÁRIO BECCAR VARELA, E.P.
 
Decrease Increase
Texto
Solo lectura
1
0
 
Discretas igrejas de Roma escondem, por vezes, verdadeiros tesouros espirituais e artísticos. San Benedetto in Piscinula, com sua rica história, é uma delas.

A maioria dos peregrinos que percorre a Cidade Eterna é atraída, sobretudo, por sua grandiosidade, a qual transparece não só em seus belos monumentos como também em suas instituições, entre as quais a Cátedra de São Pedro ocupa o lugar de honra.

A história da Urbe e a do Papado, com o decorrer dos séculos, criou um vínculo indissolúvel, que ninguém será capaz de desligar. Tudo em Roma está relacionado com a religião católica.Seus edifícios mais grandiosos são da Igreja, e as próprias ruínas imperiais ressaltam o esplendor do cristianismo. Pois, após o desmoronamento do velho mundo pagão ressurgiu, de seus escombros, a Civilização Cristã.

Maravilhas ocultas

Mas, se Roma ostenta jóias da arte e da História nas suas praças, basílicas e palácios, também esconde outras de não menor beleza, nas ruas tortuosas e estreitas. E se o peregrino não for bom garimpeiro de maravilhas ocultas, não tirará todo o proveito possível de sua expedição. Para encontrá- las é preciso sair do tumulto das grandes avenidas, evitar os arcos de triunfo dos vencedores romanos e entrar nas poéticas ruelas da Roma antiga, traçadas ao sabor do engenho de seus remotos habitantes.

Numa esquina encontrará um belo oratório da Madonna; mais adiante, num muro adornado pela intempérie, que os romanos têm o bom gosto de não pintar, uma lápide evoca algum acontecimento notável; numa pracinha que se abre de repente no meio do labirinto das estreitas ruas, um chafariz jorra água generosamente há milênios, sem receio de secar.

Quantos santos marcaram com sua presença a cidade, a ponto de se ter a impressão, caminhando por essas ruas calçadas de pedra, que dobrando uma esquina nos encontraremos com um desses heróis de Deus.

E talvez um dos maiores esplendores de Roma seja a memória dos santos que a habitaram ou dos mártires que nela derramaram seu sangue. Um esplendor espiritual, que os olhos não vêem, mas que a alma é capaz de sentir.

Berço da Europa cristã

Numa pequenina igreja do Trastevere, esconde-se um desses esplendores, ligado não só à cidade de Roma, mas a toda a Europa.

Na igreja de San Benedetto in Piscinula, conserva-se a cela em que São Bento, ainda jovem estudante, viveu. O lugar era um antigo palácio de uma família de patrícios romanos, os Anísios, à qual pertencia Bento. Mas o ambiente estudantil, já naqueles remotos tempos, não era o mais propício à prática da virtude. E certamente, o jovem Bento deve ter feito longas reflexões, no silêncio de seu exíguo aposento, sobre que rumo a dar à sua vida. Permanecer no mundo, com risco de perder a alma, ou abandonar tudo e seguir a Jesus Cristo?

Segundo a tradição, foi diante do afresco de Nossa Senhora da Misericórdia, situado na capela lateral esquerda, à entrada da igreja, que São Bento fez o propósito de consagrar sua vida a Deus e sair de Roma. Quase se pode dizer que a Ordem Beneditina, com todas as suas belas ramificações e legiões de santos, nasceu ali, naquele discreto lugar.

No vestíbulo de entrada da igreja conserva-se também um dos mais antigos afrescos do Patriarca da Europa, que se conhece.

Contrastes esplendorosos

Merece essa diminuta igreja fazer parte dos esplendores de Roma? Ela não está revestida de magníficos mármores, seus San Benedetto in Piscinula.jpgaltares não refulgem de ouro, nem seu pequeno campanário românico, omenor de toda a cidade, abriga algum famoso carrilhão.Apenas guarda ciosamente o mais antigo sino de Roma, prestes a completar um milênio, pois foi fundido em 1069. O pavimento da igreja, um belo mosaico em estilo cosmatesco, da época medieval, é todo ele original, peculiaridade esta que o torna único no mundo.

San Benedetto in Piscinula tem outro aspecto singular: é a primeira igreja de Roma confiada a um movimento de leigos: os Arautos do Evangelho.

Com a ajuda dos membros desta associação, o solícito Reitor, Mons. Angelo Di Pasquale, continua prestando valiosa assistência espiritual aos fiéis que a visitam. Protonotário Apostólico, Cerimoniário Pontifício Emérito de cinco papas – de Pio XII a João Paulo II – e Cônego da Basílica de São Pedro, Mons Di Pasquale é um homem todo feito de experiências insuperáveis, para com acerto vir a ser, como até o presente momento o é, Consultor e Assistente Espiritual dos Arautos do Evangelho.

Por isso, dir-se-ia que San Benedetto in Piscinula não oculta só no seu interior relíquias do passado. É uma digna moldura para o espírito evangelizador mais atual. Afinal, os esplendores de Roma são feitos também de contrastes… Revista Arautos do Evangelho, Nov/2007, n. 71, p. 35-36)