Fale conosco
 
 
Receba nossos boletins
 
 
 
Artigos


Plinio Corrêa de Oliveira


Lourdes e a sublimidade do milagre
 
PUBLICADO POR ARAUTOS - 06/02/2020
 
Decrease Increase
Texto
Solo lectura
2
0
 
Lourdes foi tema de várias conferências e artigos de Dr. Plinio. Com seu proverbial discernimento dos espíritos, neles incluía sempre abordagens psicológicas, a par das religiosas e históricas. Estão elas presentes ao longo de todo o comentário aqui reproduzido, mas especialmente no fim, quando ele põe em relevo um aspecto pouco focalizado da virtude de Santa Bernadete.

Milagres, sempre os houve durante os dezenove séculos de História da Igreja, manifestando ao mundo a infinita misericórdia divina. Entretanto, adquiriram eles uma extraordinária freqüência, tornando-se abundantes e até comuns, a partir do momento em que, na gruta de Massabielle, em Lourdes, cidade localizada na vertente francesa dos Pirineus, apareceu Nossa Senhora a Santa Bernadete Soubirous, e disse: “Eu sou a Imaculada Conceição”.

Havia apenas 4 anos, o Papa Pio IX definira solenemente a verdade de Fé segundo a qual Maria Santíssima foi concebida sem pecado original desde o primeiro instante de seu ser. Conquanto fosse esse dogma duramente atacado pelos inimigos da Igreja, [o hoje Beato] Pio IX, com uma coragem de anjo, proclamou-o a todos os homens. E não tardou para que Nossa Senhora ratificasse a sentença pontifícia, revelando-se a uma humilde jovem de Lourdes como sendo a Virgem sem mancha.

Triunfo de Maria sobre a impiedade

Foi essa uma das mais extraordinárias manifestações da luta de Nossa Senhora contra o demônio. Com efeito, a aparição se deu no auge das perseguições e ridiculizações movidas pelo anticlericlaismo do século XIX contra a Igreja, com o intuito de enfraquecê-la. Eram incontáveis os católicos que, acovardados pelo respeito humano, fingiam não ter mais fé, e poucos professavam abertamente a religião. Os não-praticantes pediam provas de sua veracidade.

Nessas circunstâncias Nossa Senhora apareceu, e teve início a espantosa série dos milagres de Lourdes, concedidos com a solicitude e magnanimidade maternais da melhor de todas as mães. Das rochas de Massabielle passou a jorrar um curso de água ainda inexistente. Os doentes, que pensam em tudo para aliviar as suas dores, puseram-se logo a se banhar nessas águas e — oh maravilha! — começaram a curar-se em número surpreendente.

Não querendo dar a mão à palmatória, os ímpios logo ergueram a voz, afirmando ser impossível tratar-se de doenças autênticas; em conseqüência, as curas também não o eram. Não podiam reconhecer os milagres, porque isto os esmagaria.

A fim de eliminar quaisquer dúvidas e fazer triunfar a insondável bondade de Maria Santíssima, a Igreja instituiu um consultório médico especial, com todos os recursos mais modernos que a ciência possuía, a fim de analisar e comprovar as enfermidades antes de os doentes se banharem. Estes, munidos do atestado, entravam nas águas e pouco depois saíam — várias vezes, nem sempre — cantando as glórias de Nossa Senhora, por terem obtido a cura. Os médicos faziam novo exame e, com freqüência, concluíam pelo milagre.

No decorrer dos meses e dos anos, as curas foram se multiplicando, e a piedade católica constituiu todo um dossiê sobre essa manifestação maravilhosa da compaixão de Deus para com os homens.

Como os maus não se cansam de sua maldade, um ímpio, escritor famoso da França daqueles tempos, foi a Lourdes com a intenção de colher dados e informações para um livro contra os prodígios anunciados. Viajou incógnito, passeou pela gruta, observou tudo o que desejou, e depois… fugiu! De volta a Paris, confessou aos seus íntimos: “Eu não fiquei; fugi, porque o milagre me esmagava!”

Sublimidade do milagre

Os milagres de Lourdes continuaram e continuam. Até hoje, o sobrenatural ali demonstra sua existência claramente, de viseira erguida, e o amor da Mãe de Deus se expande sobre os homens de todas as nações, de todas as línguas e, em certo sentido, de todas as religiões. Porque há curas de não-católicos em Lourdes, a maioria dos quais se converte.

O trágico e magnífico espetáculo de Lourdes… Aqueles doentes que chegam, conduzidos pelos brancardiers (carregadores de macas), deixam-se examinar pelos médicos para depois se dirigirem aos banhos na gruta. É todo o drama da dor humana diante da doença, fruto do pecado original, que ali se desenrola. Pessoas debilitadas pelo mal que as aflige, tendo passado pelos incômodos de uma viagem mais ou menos longa, conforme o lugar de onde saíram, vão pedir a Nossa Senhora o milagre tão almejado. E multidões de pessoas sãs estão ao lado delas, assistindo àquele desfile de sofrimento, cantando e rezando para que os doentes sarem, durante a Missa, a bênção com o Santíssimo Sacramento e a tocante e maravilhosa procissão das velas…

Imagine-se o que representou para um doente partir da África do Sul ou da ilha do Ceilão, da Patagônia ou do Alasca, para estar algumas horas em Lourdes. Às vezes são pobres — que gastam nessa viagem os últimos recursos financeiros de que dispõem, com a esperança da cura — que vêm… ou que não vêm. Não raro, a cura ocorre no caminho de volta para casa. De repente, quando nada mais se espera, um grito jubiloso: “Estou curado!” Todas essas circunstâncias, aspectos e acontecimentos se revestem de uma sublimidade peculiar, sobrenatural, sacral, diante da qual nossa língua emudece. É a sublimidade do milagre.

Testamento espiritual de Santa Bernadete

Não se pode falar de Lourdes sem lembrar a personagem ligada de modo indissociável a essa história de bênçãos e misericórdias. A modesta pastorinha a quem Nossa Senhora apareceu é o primeiro milagre de Lourdes: milagre da graça, milagre da santidade. Por isso a Igreja a elevou às honras dos altares como Santa Bernadete Soubirous.

Antes de partir deste mundo para as glórias da bem-aventurança eterna, a vidente deixou seu testamento espiritual, uma comovedora prece de ação de graças em que ela, ao invés de se mostrar reconhecida pelos insignes favores de que foi objeto, louva Nossa Senhora e seu Divino Filho por tudo o que lhe representou sofrimento e carência nesta vida:

“Pelas zombarias recebidas, pelas injúrias e pelos ultrajes da parte dos que me mandaram prender como doida, pela cólera que tiveram contra mim, tomando-me como interesseira. Pela ortografia que eu jamais consegui aprender, pela memória que eu jamais tive, pela minha ignorância, graças vos dou, Senhora. Graças, porque se houvesse sobre a terra uma menina mais ignorante e mais estúpida do que eu, Vós a teríeis escolhido para lhe aparecer.

“Graças, ó Jesus, por ter dessedentado com amarguras esse coração por demais frágil que me destes! Por Madre Josefina, que disse de mim: não serve para nada… Pelos sarcasmos da madre mestra de noviças, pela sua voz dura, pelas injustiças, pelas ironias, pelo pão da humilhação, muito obrigada. Graças por ter sido a Bernadete ameaçada de prisão porque tinha visto a Virgem Maria, olhada pelas pessoas como um raro animal, aquela Bernadete tão mesquinha que, ao vê-la, diziam: É essa?

“Pela minha doença, pelas minhas carnes em putrefação, pelos meus ossos com cáries, pelos meus suores, pela minha febre, pelas minhas dores surdas e agudas, graças ó meu Deus! E por essa ânsia que Vós me destes para o deserto da aridez interior, pelos vossos silêncios, mais uma vez por tudo, por Vós ausente e presente, graças, ó Jesus!”

O holocausto do puro amor desinteressado

É uma oração verdadeiramente heróica, de um heroísmo que sobressai da seguinte situação: a Santa Bernadete foi concedida a graça incomparável de ser a vidente a quem Nossa Senhora apareceu, a ela foi indicado o local onde brotariam as águas que operariam as curas milagrosas. Portanto, a partir das revelações feitas a ela, Maria Santissima inaugurou uma série de maravilhas e de benefícios incalculáveis para os corpos e para as almas dos homens da terra inteira. Além disso, a devoção à Mãe de Deus conheceu um novo e precioso crescimento sob a invocação de Nossa Senhora de Lourdes.

Assim, ela, a pequena, a miserável, a mesquinha; ela, nula, plebéia, pobre; ela, a tonta e ignorante Bernadete, foi o arco pelo qual quis entrar esse raio de sol no mundo contemporâneo, e mais especialmente no mundo do século dela, tão orgulhoso, tão cheio de revolta e de incredulidade. Para tudo isso, foi escolhida essa pessoa tão insignificante.

Santa Bernadete poderia fazer um raciocínio diferente: “Meu Deus, Vós me destes esses ossos cariados, essa carne putrefata, me destes toda essa miséria e essas contrariedades. Em compensação, porém, me concedestes a grande vantagem de ser a Bernadete escolhida por Vós para iluminar o mundo inteiro. Então, eu aceito de boa vontade tudo o que me destes de triste, de ruim, como ação de graças por aquilo que me destes de bom. Amém.”

Seria um pensamento legítimo. Mas, ela era uma santa, e por isso, diante da conduta da Providência em face dela, levou sua atitude de alma até o limite da sublimidade. Mediu sua personalidade, seus recursos mentais, sua saúde física, e percebeu que não valia nada. Era apenas uma pessoa muito equilibrada, nascida numa família pobre, menosprezada por todos. E ela aceitou heroicamente sua nulidade, para que inúmeras almas fossem salvas e a Igreja Católica reluzisse de maior glória. 

Ela compreendeu bem que não teve apenas aparições, mas recebeu também uma cruz, mais preciosa do que as próprias visões de Nossa Senhora. E ter aceito de modo perfeito a cruz, levando-a até o fim com amor, com entusiasmo pelo sofrimento, por tudo quanto a dor significa no plano sobrenatural — isto fez dela uma santa. 

Vemos, então, uma pessoa que reconhece não ser nada, e que transforma esse nada numa hóstia para oferecer a Nosso Senhor, dizendo:

“Meu Deus, enquanto todos perdem a alma para ser alguma coisa, enquanto aqueles que Vós sobrecarregastes de dons os dilapidam de modo miserável, eu, a quem Vós fizestes nada, agradeço-Vos esse nada. Peço-Vos que, para vossa glória, aceiteis minha conformidade com esse nada. Sei que sou o rebotalho do mundo, sei que sou o asco da terra, sei que ninguém quer saber de mim, mas sei que para Vós, ó meu Deus — três vezes santo, perfeito, eterno, imutável, onisciente, misericordioso — para Vós, dentro de meu nada eu sou muito. Sou tanto que por mim Vós vos teríeis encarnado, e Vós teríeis sofrido o tormento da Cruz. Vós, sim, me amais. E se Vós amais esse nada, aceitai esse nada. Ele vale pelo amor que Vós lhe tendes. Aceitai esse nada e aceitai-o por aqueles a quem Vós destes tanto. Aqueles que receberam de Vós os dons que eu não recebi, utilizem-nos segundo vossos desígnios, eu vos ofereço, meu Deus, eu vos agradeço os dons que não recebi”.

Isso é levar o desinteresse até o sublime. É o holocausto completo, o puro amor a Deus, sem preocupação por si. É o modelo que a Providência nos propõe para que tenhamos uma vida espiritual norteada, mais do que pelo desejo do Céu, pela graça de amar e adorar desinteressadamente o Senhor do Céu e da Terra. (Revista Dr. Plinio, Fevereiro/2003, n. 59, p. 16 a 21).

 
Comentários