Fale conosco
 
 
Receba nossos boletins
 
 
 
Arautos


Arautos no Mundo


“Nossos filhos estão em boas mãos!”
 
AUTOR: IR. FLÁVIA CRISTINA DE OLIVEIRA, EP
 
Decrease Increase
Texto
Solo lectura
0
0
 
A atuação das irmãs Arautos do Evangelho em favor da formação de nossa juventude, tão necessitada, tem recebido o reconhecimento de incontáveis pais que manifestaram sua gratidão em comoventes depoimentos.

Algumas das famílias cujos testemunhos reproduzimos neste artigo: Ana Lúcia Businger Senna e família; Maria Carolina Araújo Ouverney Spitz e família; Casal Luciano e Fabrícia Guzzo com os filhos; Prof. Reinaldo Kiss Ivanicska Junior e família

Preocupadas em levar algum conforto, esperança e alegria aos mais necessitados, as irmãs Arautos do Evangelho dedicam-se o quanto podem a visitar creches, hospitais, clínicas e abrigos e se sentem inteiramente recompensadas pelos seus esforços ao testemunhar como o amor de Deus e de sua Mãe Santíssima se derrama nessas ocasiões sobre os corações carregados de sofrimentos.

Mas há outro aspecto do trabalho das irmãs em favor do próximo, não menos importante para a construção de uma nova sociedade à imagem e semelhança do Reino dos Céus: a formação religiosa e cultural da juventude.

Abundantes têm sido as manifestações de gratidão de pais e familiares por esse trabalho, realizado especialmente através do Projeto Futuro e Vida. Constatam eles o crescimento de suas filhas enquanto pessoas, com a formação recebida de acordo com os valores cristãos. Muitas se tornam aptas a um promissor futuro em qualquer ramo profissional, vincado e enraizado na Fé Católica.

Brasília Desejosas de fazer bem às almas, as irmãs de Brasília percorrem os mais diversos locais levando a Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima. Em Valparaíso de Goiás (GO) participaram das Missas na Paróquia São Maximiliano Kolbe e percorreram lojas e residências (fotos 1 e 2). Visitaram também os doentes do Hospital Infantil (fotos 3 a 5). E acorreram ao Lar São José, onde houve animada apresentação musical e distribuição de presentes (fotos 6 e 7).

Eis alguns dos testemunhos recolhidos em apenas duas cidades do nosso imenso país: Brasília (DF) e Nova Friburgo (RJ).

“Nossos filhos hoje estão em boas mãos”

Após conhecer os Arautos do Evangelho através do Projeto Futuro e Vida realizado no colégio de seus filhos, Maria Colombo Paes, de Brasília (DF), afirma ter notado em sua família uma grande transformação: “Desde este abençoado dia, a vida de nossa família mudou para muito melhor. É difícil encontrar palavras que expressem nossa alegria e a tranquilidade de saber que nossos filhos hoje estão em boas mãos”.

E, admirada pelo grande desenvolvimento de sua filha ao participar das atividades promovidas pelas irmãs, declara: “Nossa filha antes era muito tímida, a ponto de quase não falar. Essa timidez nos vinha trazendo muita preocupação, pois estava prejudicando-a. Depois de um ano e meio de convívio com os Arautos foi ficando mais desinibida, mais sociável, a ponto de representar em peças teatrais com falas extensas, às vezes em papéis principais que exigem mais dela. No entanto, minha alegria maior foi quando a vi cantando o salmo na Missa”.

Do mesmo modo, Da. Maria Paes notou grande mudança em seu filho, que também começara a frequentar o Projeto Futuro e Vida do setor masculino em Brasília: “Com nosso filho não podia ser diferente. Ele se entusiasmou com os Arautos do Evangelho desde o primeiro dia, e nesses dois anos e meio de convívio, de igual forma apresenta um excelente desenvolvimento. Ele adora acolitar as Missas, aprendeu a cantar e a tocar clarinete e bombardino, a fazer teatro e a se relacionar melhor com as pessoas”.

Porém, não só para os filhos, mas para toda a família de Maria Paes, o trabalho dos Arautos serviu de instrumento para abundantes graças. “A vida familiar também mudou muito”, afirma. “Os Arautos nos mostraram quão importante é o Sacramento do Matrimônio. Não temos palavras para expressar nossa gratidão a esta instituição que procura com todo empenho e zelo nos mostrar a Igreja linda que Nosso Senhor nos deu”. 

“Não há dinheiro que pague por este trabalho”

Também Rute Souza Lima escreveu-nos a fim de externar seu agradecimento pelo projeto realizado pelas irmãs Arautos de Brasília com as jovens e suas famílias: “Os Arautos do Evangelho despertam o que está adormecido dentro de cada um de nós, que é a devoção a Nossa Senhora e a Nosso Senhor Jesus Cristo. Não há dinheiro que pague por este trabalho voluntário e tão necessário para nossa sociedade. Minha filha não estaria recebendo melhor educação e formação espiritual. Agradeço por tudo que as senhoras têm feito por ela e por nossa família, todo carinho e atenção, e admiro a disposição que têm para com a minha pessoa, bem como os cursos bíblicos, em uma linguagem clara, onde percebo a pureza da verdade do que realmente Nossa Senhora e seu Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, nos pedem. A cada uma das senhoras, meu eterno agradecimento”.

“Um verdadeiro laço de amor entre todos”

Encantada com a dedicação das irmãs e os ensinamentos transmitidos aos jovens e familiares que frequentam as casas dos Arautos em Brasília, Ana Luísa Freire afirma: “Sentimo-nos extremamente acolhidos pelas irmãs sempre tão atenciosas, pelos padres extremamente preparados e muito acessíveis e pelas meninas e meninos que demonstram uma alegria e empenho em tudo que realizam! Parece existir um verdadeiro laço de amor entre todos, algo que a minha fé enxerga como presença de Deus, como semente primeira no coração destas crianças! Minhas filhas já são moças formadas, mas se fossem menores, não teria dúvida em deixá-las sob a educação e orientação dos Arautos do Evangelho, tamanha a confiança que sinto nesta ordem!”

Maringá (PR)No dia 10 de setembro, um conjunto de irmãs Arautos do Evangelho dessa cidade visitou a Associação Norte Paranaense de Reabilitação. Após a apresentação musical as missionárias aproximaram a Imagem Peregrina de cada um dos jovens e lhes ofereceram algumas lembranças.

Declara também ter passado por um grande enriquecimento social e espiritual no contato com o carisma da instituição: “O carisma da ordem nos encantou! Pureza, beleza, simplicidade e riqueza de espírito, tudo nos transporta a Jesus Cristo, com o cuidado exemplar e perfeição que acreditamos que vem do próprio Nosso Senhor! Os Arautos do Evangelho me transformaram em uma pessoa melhor, minha fé foi aprimorada e me sinto fazendo parte de uma linda e grande família!

“Mons. João sempre foi um modelo para mim”

Agnaldo Ferreira do Santos, ex-membro dos Arautos e hoje empresário em Brasília, leva consigo muitas recordações do tempo que passou dentro da instituição, apesar de não ter seguido a via religiosa. É o que revela em seu testemunho: “Não tenho irmãs ou parentes que pertencem a essa ordem religiosa, mas posso dizer que o meu coração pertence a ela. Ela foi para mim e toda minha família um canal de graças que nos aproximou muito mais da Santa Igreja e nos fez sermos mais cristãos”.

Conservando grande admiração pelo fundador dos Arautos do Evangelho, e levando consigo todos os ensinamentos dele recebidos, atesta:

“Conheço o seu fundador, Mons. João Clá, desde que eu era adolescente e ele sempre foi para mim, além de formador de alma, o meu exemplo e meu modelo. Sem sombra de dúvidas posso declarar com todas as veras da minha alma que o Mons. João é uma pessoa em quem o Espírito Santo habita e tem um amor entranhado até a última fímbria de sua alma à Santa Igreja Católica Apostólica Romana. Para mim, é uma pessoa santa no sentido profundo da palavra santa. Não segui a vocação religiosa como Arauto interno, porém tive a felicidade de ser preparado para uma vida toda ela dedicada a servir a Nossa Senhora, e se não religiosa, uma vida familiar e conjugal, sendo exemplo de esposo e pai católico praticante e dedicando minha vida a Maria Santíssima e à Santa Igreja”.

Contente pelos anos de acolhimento e orientação, agradece a Mons. João pela formação que recebeu, por meio da qual – afirma ele – pôde se tornar quem é: “A preparação que é realizada nos Arautos é algo simplesmente de dar inveja a qualquer instituto de educação que exista no mundo, não devendo em nada para nenhum. Falo isso com conhecimento de causa, afinal, depois que saí da vida de comunidade fui trabalhar como professor universitário, e exerci essa profissão nas melhores faculdades do norte do país, além do mestrado que fiz numa universidade de muito renome.

“E, entre as inúmeras turmas de pós-graduação não se vê nada semelhante aos Arautos do Evangelho”.

“O maior prêmio para um pai e uma mãe”

Sendo atualmente CEO de um grupo de empresas que atuam em mais de quatorze estados do Brasil, o Sr. Agnaldo reconhece o grande papel que os ensinamentos recebidos tiveram para seu desenvolvimento profissional, e declara: “Toda essa formação não seria possível se o Mons. João Clá não tivesse fundado os Arautos do Evangelho. Tanto eu, quanto os outros que souberam aproveitar a formação que receberam, não seriam nada… Afinal, o que faz a diferença nas nossas vidas é o fato de nos ter sido dado com tanto amor e de forma gratuita, a nossa formação. Só Nossa Senhora para pagar o imenso bem que os Arautos fizeram por mim”.

Ao discorrer sobre o apostolado realizado na cidade de Brasília através do Projeto Futuro e Vida, Agnaldo opina que “A alegria e o bem que cada um recebe é o maior prêmio que um pai e uma mãe podem receber. Vemos estampadas em seus rostinhos a felicidade e alegria de estarem nesse ambiente de muita santidade.

“Ali se cumpre o que o fundador Mons. João sempre quis para as casas de suas filhas espirituais: que fossem escolas de santidade. […] É o que sentimos quando estamos juntos ao apostolado que elas desenvolvem com as meninas que frequentam suas sedes, como também com o apostolado que elas fazem conosco”.

“Tudo o que vi são coisas boas”

Aurivarton Antônio da Silva, pai de Gabriela, estudante do Colégio Arautos do Evangelho Internacional em Brasília, grato pela formação dada a sua filha e pela alegria manifestada por ela, diz: “Tudo que eu vi nos Arautos são coisas boas: rezam bastante, fazem atividades, teatro, esporte. A minha filha, desde o primeiro dia, gostou muito. Eu também gosto de estar lá e acompanhar as atividades. Aliás, as irmãs fazem questão que os pais também participem. E minha menina está muito satisfeita, tanto na sede, quanto na escola”.

Desse modo Gabriela pôde alcançar um de seus maiores desejos, como afirma seu pai: “Um caso curioso é que, quando ela fazia aniversário, a gente cantava o parabéns e as amiguinhas dela sempre perguntavam: ‘Gabriela, o que você quer ganhar? Faça um pedido’. E ela sempre respondia: ‘Só quero ser feliz!’ E com a frequência dela nos Arautos ela foi adquirindo essa felicidade. Eu achava que não existia amor, felicidade tanto quanto havia lá em casa. Ela conheceu os Arautos e encontrou um amor maior, diferente, me surpreendeu!”

BrasíliaNos fins de semana, famílias se dirigem à Casa do setor feminino dos Arautos a fim de participar da programação. À esquerda, curso de flauta para a